Skip navigation

O que segue é uma discussão rápida e informal, um comentário seguido de uma resposta, falando sobre bitcoin, crypto-anarquistas e o futuro. Deixei exatamente do jeito que as pessoas escreveram. Não é muito profundo, mas me pareceu um bom ponto de partida para aprofundar em seguida.


Comentário:

E esse artigo do guardian dos crypto-anarquistas ?
argumenta que a onda de populismo de direita é uma entre outros sinais confusos de mudanças sócio-políticas maiores em função das novas tecnologias
O que mais me assusta é o principal sinal da “nova era tecnológica”  – a chamada “Sharing Economy“, citada umas 5 vezes nesse artigo.
a internet, de acordo com os mais nobres ideais que nortearam sua criação, é sobre o “sharing” – e de fato aquilo que surgiu e no qual se falava na década de 90, o compartilhamento de arquivos, redes de hospedagem, grupos de caronas etc, ia nesse caminho.
Mas agora, vemos a palavra “economy” surgir depois do “sharing”, e isso sem nenhum pudor.
Pra mim, há claramente um deslocamento da origem idealista da internet nas universidades, pro domínio das corporações do vale do silício.
Muita gente inclusive de esquerda se engana que é a “genialidade técnica” que está por trás dos novos serviços, como Uber, Airbnb, Facebook etc… quando não tem nada a ver com tecnologia e tudo a ver com negócios. As empresas capitalizam em cima de tecnologias que já existem.
E assim, o sharing do couchsurfing virou o serviço de aluguéis airbnb, o sharing de caronas virou o serviço de taxi da uber, e a comunicação que antes se dava através de clientes com servidores descentralizados (como o mIRC), ou tecnologia p2p do ICQ/MSN, virou commodity nas redes sociais.
O que era pra ser anti-capitalismo virou power-capitalismo, o que era pra tirar dinheiro das corporações e empresas está dando origem às maiores e mais violentas delas.
E os hackers anarquistas investindo em bitcoins não me parecem estar fazendo a menor diferença em relação a isso…
Resposta:

Mano, ficou muito legal esse teu comentário. Resume e esclarece muito da crítica que anarquistas críticos à tecnologia estão fazendo.

Claro que tem anarquistas deslumbrados com tecnologia, e isso é mais regra que exceção, infelizmente. E se essas pessoas que têm um pouco mais de consciência política caem nessa armadilha, as pessoas que só seguem o fluxo não tão nem se ligando.

Agora, quando o texto coloca como crypto-anarquistas sujeitos como assange ou snowden, aí pra mim fica muito estranho. Essas pessoas são contra a vigilância do Estado, principalmente na esfera econômica (taxação, controle, multas). Assange, provavelmente para conseguir sair da sua “prisão” na embaixada do Equador na Inglaterra, se candidatou (com apoio da direita) a senador da Austrália, enquanto o snowden, por mais incrível que seja o que ele fez (e foi muito foda mesmo), ele fica sonhando com um julgamento justo dentro dos EUA (ver essa entrevista dele), o que é simplesmente ridículo. Estado e Lei é a mesma coisa hoje e justiça todo mundo sabe que é questão principalmente de poder e grana.

Então, isso que tão chamando de anarquismo, e inclusive os crypto-anarquistas clássicos, da época do assange e dos cypherpunks, são tudo nerd classe média alta de país dominante. O objetivo de vida deles é business. Não têm nada a ver com os mapuche anarquista do chile ou com anarquistas que conheço (que são bundões também, mas de outro jeito). A galera aqui tá tentando juntar grana pra pegar o busão pra ir conversar com os guariani ali fora da cidade e os cara em Praga têm uma máquina própria de bitcoins! Nada a ver uma coisa com a outra. Quando o texto fala “They are the sort of people who run the technology that runs the world” [Eles são o tipo de pessoa que mandam na tecnologia que manda no mundo] já dá pra ver que a perspectiva é novamente de controle e submissão e não de libertação ou anti-capitalista. E a parte de shared economy então fecha perfeitamente: o único papel ou ação do Estado pra eles é “atrapalhar” a economia. De fato, pensar assim só vai levar ao aperfeiçoamento do capitalismo.

Talvez estejamos caminhando para um ponto histórico onde capitalismo e Estado vão se dissociar. Isso ainda me parece difícil, mas… O capitalismo nasceu com a democracia e com o Estado-nação. Estamos vendo a democracia ser desmontada e o Estado também. Será que o capitalismo vai conseguir seguir vivendo sem os seus amiguinhos? Existe mercado/moeda há milhares de anos, assim como governo/dominação/exército. Minha aposta é que esses três elementos (capitalismo-democracia-Estadonação) são interdependentes. A coisa vai ter que mudar e bastante: tá tudo esfrangalhando junto.

E esse papo de descentralização é MUITO importante, mas em relação ao Poder. Do jeito que tá no texto, ainda vai demorar também: qualquer app depende de companhias de cartão de crédito e telefonia, que são a infraestrutura do comércio informacional. E tem coisa mais centralizada que visa e master e tim-vivo-oi? Descentralizar é colocar dezenas de opções e não 3 ou 5. E a competição, mais cedo ou mais tarde, mata a descentralização. Startup é uma pseudo-descentralização pois a grana mesmo vem sempre de grandes companhias que monopolizam o mercado. A Google tem centenas de start-ups no seu quintal. E a eficiência tão idolatrada pelos tecnocratas (finalmente estão aparecendo!) está diretamente ligada à competição. A coisa é insustentável.

Os app não são para as pessoas trocarem coisas, mas para comprarem-venderem; não são para elas se encontrarem e fazerem junto, mas para saberem-controlarem os outros; a eficiência não é para trabalhar menos, mas para continuar trabalhando e cada vez mais, só que indiretamente. Tá bizarro esse cenário.

Sempre vou desconfiar de quem me disser que o futuro será brilhante e maravilhoso e funcional e justo. Se isso sai da boca de qualquer um, seja de direita de esquerda ou de alguém morto, nem dou ouvidos.

E lá no final do artigo, ainda volta o tema da renda básica: “the “universal basic income”, essentially a way to pay economically useless people to live, consume and keep capitalism ticking over…” [a renda básica universal, em sua essência, um jeito de custear a vida de pessoas economicamente inúteis, mantê-las consumindo e o capitalismo rodando…]. De fato, pessoas inúteis são um problema… (!!!)

Outra coisa que esses caras (anarcapitalistas) nunca falam é sobre guerra. Não tem como falar de futuro ou de capitalismo, ou de mercado, ou de Estado, sem falar em guerra. E esses caras sempre esquecem desse micro-detalhe quando estão num prédio histórico reformado com dinheiro da prefeitura no centro de uma cidade rica e turística da Europa. Vai falar de tecnologia em chiapas, nos charcos ou em uganda!

Enfim…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *