Cambridge Analytica e a Democracia

 

Teu tempo tá passando e tu não toma uma atitude
ludimila

Em 2018, o mundo inteiro caiu da cadeira quando descobriu o ardiloso esquema de influenciação de eleições da Cambridge Analytica (CA).

O mundo inteiro? Tão influenciando eleições?

Não, não. Calma aí. Vamos botar as coisas de outro jeito:

Em 2018, cidadãos ingênuos de países democráticos ficaram indignados ao descobrir que havia uma (única!) empresa fazendo propaganda direcionada durante duas votações, uma nos EUA (2016) e outra na Grã-Bretanha (2017).

Melhorou, né? Agora parece mais realista.

Mas por que tô voltando a esse velho assunto agora?

Porque recentemente assisti ao documentário “The Great Hack” (2019) e dessa vez fui eu que fiquei escandalizado!

O filme acompanha alguns personagens na jornada pela Verdade sobre a eleição de Trump e o plebiscito do Brexit: um cidadão quer seus dados pessoais usados nas campanhas da CA; uma ex-empregada da empresa busca redenção ao descobrir, depois de 3 anos, que andara com o diabo; outro ex-empregado vem jogar lenha na fogueira, mas logo desaparece de cena; uma jornalista, com muita dificuldade e determinação, faz sua investigação, expõe o mal e apela para as gigantes da tecnologia jogarem limpo.

Qual era a motivação de todas essas pessoas? A Cambridge Analytica estava pondo em risco o fundamento do seu mundo político: a Democracia.

Fico meio sem jeito, até me sinto ridículo de ter que levantar a seguinte questão: que democracia é essa?

Por toda parte, vejo as pessoas confundirem seus desejos por justiça e autonomia com o ideal da Democracia, e esquecer a democracia que acontece todos os dias na nossa vida cotidiana.

Pra quem quer entender a diferença entre necessidades humanas reais (como abrigo, comunidade, segurança), abstrações políticas (como paz, democracia) e política governamental (como o governo eleito de Bolsonaro ou Lula), sugiro o vídeo abaixo:

Que achou? Reconheceu sua própria experiência nesse quadro?

Onde entra, então, essa empresa maligna chamada Cambridge Analytica? Bom, ela é uma empresa de propaganda, oras!

Aqui vai um pequeno parênteses: no Império da Democracia, as instituições democráticas funcionam legalmente através de lobby. Ou seja, nos EUA, as empresas interessadas em influenciar o andamento cotidiano das decisões dos “representantes” do povo podem injetar dinheiro na máquina, do jeito e na quantidade que quiserem. Em 2014, foram em torno de 9 bilhões de dólares em influenciação privada no Congresso dos EUA. O que a gente chama aqui de “Corrupção”, lá eles talvez pudessem chamar de “fomento à democracia”.

Esse é o everyday business, a mutreta básica de todo dia. Agora, de vez em quando, previsivelmente a cada quatro anos, um novo mecanismo entra em ação: as eleições. A peça-chave, legal e necessária, desse momento é a propaganda.

Mas o que os Impérios da Democracia entendem por Propaganda? Eles fazem uma diferenciação que não é muito comum pra nós: vender produto é marketing, espalhar ideologia é propaganda. Hmmm…

Dada a neurose imperial, acho que vale a pena tornar a pergunta mais abrangente: o que eles entendem por Comunicação?

Encontrei uma resposta no livro “The Science of Coercion” de Christopher Simpson, sugerido pelo blog SaltaMontes.noblogs.org. O livro trata do desenvolvimento dos estudos de Ciências Sociais nos EUA durante o período dos anos 1945 a 1960. Lá, os principais acadêmicos desse campo receberam centenas de milhares de dólares do governo para fazer avançar os esforços militares durante a Guerra Fria. Foi desse contexto que saíram os computadores interativos e as redes digitais (para processamento de modelos sociais visando contrainsurgência) e uma série de teorizações sobre Comunicação. Obviamente, a produção acadêmica que vingou e serviu de base para as pesquisas seguintes correspondia à política que a financiava.

Uma visão de Comunicação muito usada então era a seguinte: “quem diz o quê para quem”. Um conceito unidirecional e de cima para baixo. Nada a ver com conversa, diálogo ou debate.

Depois de várias páginas mostrando os estudos acadêmicos em ciências sociais e as relações das universidades com os diversos ramos militares, Simpson resume em outra fórmula o que a galera da época queria: comunicação como dominação.

Indignada, Carole Cadwalladr, jornalista do The Guardian, no documentário “The Great Hack“, afirmou que o que a Cambridge Analytica fez “era PsyOps!” E ela mesma dá a definição: “Operações Psicológicas é um termo que os militares usam para descrever o que você faz numa guerra que não é uma guerra.” Era uma descoberta assombrosa. A democracia moderna usava internamente as mesmas táticas viciosas que o exército aplicara no terceiro mundo.

A lista de livros e links sobre guerra psicológica ou operações psicológicas é imensa. Vou manter o foco no coração da democracia mundial e seguir o caminho de Simpson. Por exemplo, o artigo “Política dos EUA para Guerra Psicológica”, de 1946, “focava na melhor forma de usar o que era conhecido sobre as características sociais, psicológicas e antropológicas de uma dada população na hora de escolher a táticas coercitivas que seriam aplicadas contra ela.” Em geral, a guerra psicológica era vista como uma forma mais humana e menos dispendiosa de alcançar um objetivo militar (como hoje se fala do drone!). “Mas, as várias definições de guerra psicológica promulgadas pelo governo [dos EUA], e mais especificamente as definições secretas pensadas para aplicação interna [no próprio país], não deixa dúvidas de que a violência era uma característica consistente e geralmente predominante da guerra psicológica para aqueles que distribuíam os contratos.”

Essas mesmas pessoas, militares e acadêmicos, enchiam o peito de orgulho para dizer, lá em 1957, que “os analistas de opinião pública estão ajudando a combater as forças que vêm atualmente ameaçando a liberdade e a democracia.” Já ouviram isso antes? Coreia, Vietnã, Laos, Camboja, Cuba, Nicarágua, Chile, Brasil, Argentina, Itália, Polônia, … Ou foi em 2001, quando Bush aprovou o Ato Patriótico? Na Invasão e Ocupação do Iraque, de 2003 em diante? Afeganistão, Síria, Egito, Ucrânia, Irã, … Ou somente após o Great Hack da Cambridge Analytica, em 2018?

Será que o disco não risca nunca?!

De forma resumida, Simpson conclui que “a guerra psicológica é a aplicação da comunicação de massas nos conflitos sociais modernos”.

Um pouco de história faz bem à saúde, né? Na verdade a gente fica mal, mas é isso mesmo. Voltemos, então, e vejamos como David Carroll inicia o documentário com a mais ingênua das perspectivas:

“Tudo começou com o sonho de um mundo conectado. Um lugar onde todos deveriam compartilhar suas experiências e se sentirem menos sozinhos.”

Ele segue nesse mesmo tom, enquanto imagens do seu mundo (grandes cidades, pessoas bem vestidas, metrôs limpos, etc.) vão se evaporando em pequenos quadradinhos, dando a entender que são dados indo para a nuvem. Em seguida, aparece uma sequência de vídeos de protestos e agressões, fascistas gritando pelo seus direitos, pessoas negras lutando por suas vidas, um mar de discórdia no facebook. David Carroll, o cidadão do Império Democrático, termina a introdução do filme com a seguinte pergunta:

Como aquele sonho de um mundo conectado nos dividiu?

Apesar de achar que o ponto de vista de Carroll é de uma estreiteza tremenda, vou levar a sério a pergunta e tentar respondê-la continuando minha análise sobre as inter-relações da Tecnologia com a Política.

Antes de mais nada, era esse o sonho mesmo?

A partir do livro “Vale da Vigilância“, de Yasha Levine, podemos aprender um pouco mais sobre a história secreta e militar da Internet. É parte do senso comum que a Internet nasceu nos EUA de um projeto da Guerra Fria nos anos 1960. O que surpreende é que não se compreenda a importância dessa relação de parentesco.

Pergunta-chave geral: por que os militares financiaram e seguem financiando projetos de tecnologia (open source ou não)?

Afinal, por que os militares gringos precisavam de uma rede de computadores, numa época em que computador era sinônimo de prédio e rede era aquilo que nativos exóticos usavam para se deitar? Nada do que a gente entende hoje por internet sequer existia no papel naquela época! Então, antes de tentar salvar uma rede digital inexistente de um ataque nuclear soviético hipotético, os militares queriam loucamente (como também mostra a pesquisa de “The Science of Coercion” sobre onde botaram/botam seu dinheiro) era criar modelos de previsão social alimentados pelos dados colhidos ao redor do mundo sobre populações locais. Esse era um problema real: como a gente trata essa montanha infinita de dados? E pra quê? Para conseguir influenciar o comportamento das pessoas direcionando propaganda ideológica eficiente.

Levine ainda conta que, em 1969, no ano de lançamento da ARPANET (predecessora da Internet), estudantes universitários do MIT e Harvard “viam essa rede de computadores como o início de um sistema híbrido público-privado de vigilância e controle – o que eles chamavam de ‘manipulação computadorizada de pessoas’ – e avisavam que ela seria usada para espionar os estadunidenses e travar guerras contra movimentos políticos progressistas.”

Os gringos manjavam de estratégia, não há dúvidas. Ao mesmo tempo, financiaram tecnologia de comunicação de massas (Internet) e ciências sociais para espalhar a santa palavra da Democracia. E como será que anda isso hoje?

Quando saiu o livro “Guerras Híbridas“, de Andrew Korybko, todo mundo ficou chocado. (Parece que estou me repetindo…) “Que absurdo, tem um país aí que tá influenciando os assuntos domésticos de outros países.” Pra quem achou que isso era novidade, deixa eu lembrar, de novo, um pouquinho de história, mas dessa vez da América Latina no século XX [1] [2] [3]: ali, os EUA realizaram mais de 40 operações secretas, quase todas com documentos já desclassificados do próprio governo, e mais outras dezenas de operações militares ofensivas publicamente declaradas. Aqui tem uma lista com as datas e uma descrição breve sobre cada incursão. E no resto do mundo? E as ações dos países ricos (Inglaterra, França, etc.) que sabiam o que era melhor pros países pobres? FMI, política de austeridade na Grécia,…  Ixi, se for ver isso a coisa não tem fim mesmo.

Aí o cidadão do Império da Democracia pergunta em “The Great Hack” (2019) a um antigo executivo da Cambridge Analytica:

– Você acha que vocês distorceram a democracia?

E o sujeito responde meio surpreso: – Por auxiliar na campanha de um candidato que foi justamente indicado como representante republicano dos EUA? Como isso é possível?

Sim, de fato isso não é possível! Até agora estou tentando entender mais essa novidade.

A Democracia no mundo real não é apenas um sistema centralizado e representativo de tomada de decisões por pessoas ricas que vem aumentando a desigualdade social no mundo. É também um sistema geopolítico de guerra e dominação.  É também o conjunto de valores que, ao contrário de sua associação discursiva com a liberdade, inspiram essas guerras e esse aumento na desigualdade.

Capitalismo, Democracia e Estado-nação nasceram juntos. Parece coincidência, né? Pois não é não. Pega aí, qualquer livro de história, de qualquer ideologia, e vai estar lá, bem descritinho. Aí a gente ouve Carole Cadwalladr, numa fala do TED que aparece no documentário, pedir aos “deuses do Vale do Silício” para considerarem com carinho o que estão fazendo. Pois “não se trata de direita ou esquerda”, se trata de salvar a Democracia.

É preciso um bocado de paciência a essa altura, mas imagino que ela esteja falando de justiça social, pois do contrário, esse salvamento, em termos reais, vai “melhorar as guerras” que virão, isso sim.

Bom, e como é que se compete nas eleições em qualquer país democrático? Através de Propaganda! Um processo bem justo e equilibrado, onde o povo decide por sua conta e risco. O exemplo da eleição de Trinidade e Tobago, relatado no documentário, é exemplar.

O ciclo se fecha.

Gostei de descobrir as maneiras contemporâneas de influenciar eleições que o documentário denuncia. Mas a mensagem que mais forte ficou gravada para mim é a falta de noção dos cidadãos do Império sobre a história e geografia da conquista em nome da Democracia. Se dentro de casa não é justo, imaginem como é aqui fora.

Meu objetivo era ligar os vários pontos dessa tecnopolítica que vem rolando há muitas décadas e mostrar que democracia, manipulação e guerra são inseparáveis. Se você luta por liberdade, então lute por liberdade, com unhas e dentes e computadores e enxadas. A ideologia da democracia não nos serve!


É meu palpite que a Cambridge Analytica foi um bode expiatório. Não apenas caiu sozinha, mas sua empresa matriz, a Strategic Communication Laboratories (SCL), que influenciou mais de 200 eleições pelo mundo até 2018, segue operando.

Quer conhecer o mercado de Influenciação de Eleitorado? Termino, então, essa postagem com o vídeo do TacticalTech, Dados Pessoais: Persuasão Política. As formulações seminais sobre Propaganda apareceram depois da I Guerra Mundial, com Lippman e Bernays. Agora estamos chegando na velocidade nº 5!

 

Por que as mulheres “desapareceram” dos cursos de computação?

2018-03-07

http://jornal.usp.br/universidade/por-que-as-mulheres-desapareceram-dos-cursos-de-computacao/

Na década de 1970, cerca de 70% dos alunos do curso de Ciências da Computação, no IME, eram mulheres; hoje, 15%

Por Carolina Marins Santos – Editorias: Universidade



Primeira turma de alunos do curso de Bacharelado em Ciências da Computação do IME, em 1974 – Foto: montagem sobre reprodução de fotografia de Inês Homem de Melo

Inicialmente, as imagens acima e ao lado podem parecer simples fotografias antigas de colegas em qualquer curso da USP. Mas ela deixa de ser comum ao descobrir que se trata da primeira turma do Bacharelado em Ciências da Computação do Instituto de Matemática e Estatística (IME), em São Paulo. A informação pode causar espanto nos dias de hoje, em que a área de tecnologia é ocupada, majoritariamente, por homens. No entanto, essa não era a realidade em 1974, quando a turma se formou. Antes de nomes como Alan Turing, Steve Jobs e Bill Gates, a computação era uma área ocupada por mulheres, sendo elas as criadoras de diversas tecnologias e linguagens de programação. Mas, então, o que aconteceu? Para onde foram essas mulheres?

A primeira turma de Ciências da Computação do IME contava com 20 alunos, sendo 14 mulheres e 6 homens. Ou seja, 70% da turma era composta de mulheres. Já a turma de 2016 contava com 41 alunos, sendo apenas 6 meninas, ou seja, 15%.

A baixa presença feminina também se verifica em cursos de outra unidade da USP. Nos últimos cinco anos, apenas 9% dos alunos formados no curso de Ciências de Computação do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP em São Carlos eram mulheres; no Bacharelado em Sistemas de Informação, foram 10% e em Engenharia de Computação, 6%.


Segundo a presidente da comissão de graduação do ICMC, Simone Souza, o baixo número de alunas no curso já vem desde a escolha no vestibular, que tem pouca procura entre as jovens. Na Fuvest, as carreiras em computação do IME e do ICMC são as de menor proporção entre homens e mulheres, juntamente com as engenharias.

Em 1997 (primeiro ano disponível para consulta), a proporção de candidatas inscritas no Bacharelado em Ciências da Computação do IME foi de 26,4%, enquanto em 2017, a proporção foi de 13,66%. Nos anos de 2010 e 2016, o curso teve a menor proporção entre todos da Fuvest.

Estigma masculino

Essa realidade não se restringe à USP. Entre as décadas de 1970 e 1980, houve uma grande inversão nos gêneros da área de tecnologia no mundo todo, mesma época em que surgiu o computador pessoal.

Antes da criação do personal computer (PC), o computador era uma grande máquina de realizar cálculos e processamento de dados, atividades associadas à função de secretariado. A sua chegada na casa das pessoas, por meio de empresas como IBM e Apple, popularizou o uso pessoal das máquinas, principalmente, com a finalidade lúdica dos jogos.

Para a professora do IME Renata Wassermann, foi neste momento que o computador ganhou a “marca” de masculino que o acompanha até hoje.

Quando os jogos começaram a se popularizar, acabou ficando estigmatizado como ‘coisa de menino’. Já no início dos anos 1970, era tudo muito abstrato, ninguém tinha computador em casa, então computação tinha mais a ver com a matemática, e o curso de matemática tinha mais meninas do que o de computação. O curso de computação não era muito ligado à tecnologia porque a gente não tinha computadores pessoais. Isso mudou bastante e agora o curso se refere mais à tecnologia do que à matemática.

Um gráfico produzido por um dos podcasts da National Public Radio (NPR) expõe essa quebra, comparando o número de mulheres em cursos de computação em relação aos cursos de medicina, direito e física nos Estados Unidos.

Segundo o professor e coordenador do curso de Ciência da Computação do IME, Marco Dimas Gubitoso, um fator que pode explicar o grande interesse das mulheres pela graduação na década de 1970 é a sua associação com o curso de Matemática.

A turma do início desta reportagem se constituiu a partir da migração de alunos da licenciatura em Matemática, que sempre teve um histórico maior de presença de mulheres.

Esse foi o caso de Maria Elisabete Bruno Vivian, que se formou na primeira turma de Ciência da Computação do IME e foi professora no mesmo instituto. Desde cedo, ela sabia que queria fazer computação, mas o curso ainda não existia quando se matriculou na licenciatura. A transferência só ocorreu no segundo semestre de 1971. Na época, a área era uma novidade e não se tinha ideia do quão competitiva ela se tornaria.

“A licenciatura é um curso para formar professores e ser professor sempre foi uma carreira majoritariamente feminina até hoje. Por isso, quando criaram o Bacharelado em Ciência da Computação havia muita mulher porque a maioria veio da licenciatura. O cenário mudou quando a carreira ficou interessante. Com muitas vagas e ótimos salários, ela acabou atraindo mais homens”, afirma Maria Elisabete..

Camila Achutti – Foto: montagem sobre fotografia de divulgação de Mastertech

O que os alunos dessa primeira turma não imaginavam, quando fizeram a fotografia, era de que ela seria o estopim para a criação do blog Mulheres na Computação por Camila Achutti, que também se formou no curso de Bacharelado em Ciência da Computação do IME.

Em 2010, quando Camila chegou para a primeira aula de Introdução ao Algoritmo, ela notou que era uma das poucas mulheres na sala. Em 2013, quando se formou, era a única. O choque de estar sozinha numa turma masculina a obrigou a pesquisar referências de mulheres na computação. Foi, então, que encontrou a foto no acervo de relíquias do IME.

Comparando essa foto de 1974 com a foto da minha turma, você vê que caiu muito. Como pode cair de 70% para 3% o número de mulheres na turma? Tem alguma coisa muito errada. Então eu pensei: ‘já que isso existe, eu quero mostrar para todo mundo. E toda vez que uma menina digitar Mulheres na Computação ou na Tecnologia vai aparecer alguma coisa’. E esse foi meu primeiro ato empreendedor, tudo por causa dessa foto.

Hoje, Camila dirige duas startups e é conhecida por lutar pela inserção feminina na área da tecnologia.

Essa inversão de realidade causou espanto também em Inês Homem de Melo, ex-aluna e professora no IME. Durante os 15 anos em que ficou na USP, a professora assistiu à predominância feminina no curso até atingir um equilíbrio entre os gêneros, mas jamais imaginou que o número se inverteria.

Inês Homem de Melo – Foto: montagem sobre fotografia de Inês Homem de Melo

“Eu trabalhei na USP, depois fui para uma fabricante de hardwares e softwares e meu último emprego, onde me aposentei, foi em um banco. Em todos esses lugares, era equilibrado o número de homens e mulheres, não havia a predominância de homens igual havia na engenharia. Não sei o que houve para diminuir tanto assim.”

Falta incentivo

Um estudo realizado na Southeastern Louisiana University, nos Estados Unidos, buscou investigar por que o número de estudantes mulheres em ciências da computação da universidade tinha diminuído. A conclusão do estudo, que pode ser encontrado no Journal of Computing Sciences in Colleges, mostra que as meninas são menos estimuladas às carreiras de tecnologia.

Propagandas midiáticas, a educação escolar e a própria família têm influência na criação do estereótipo de que homens são melhores na área de exatas, enquanto mulheres se dão melhor nas humanas. A falta de representação de mulheres na área também é um fator fundamental para repelir as meninas dos cursos de tecnologia.

“Quando você fala de computação, a primeira imagem que vem à cabeça é do homem nerd que programa desde os cinco anos e criou uma grande empresa aos 18, e isso não é verdade”, conta Camila.

“Existem muitas mulheres que participaram da história da computação, mas, de alguma forma, houve um apagamento dessas mulheres.” Ela lembra que, embora os nomes de homens sejam os mais citados, mulheres como Ada Byron (Lady Lovelace) e Grace Murray Hopper foram fundamentais para a informática…


Uma pesquisa realizada pela Microsoft mostrou que as mulheres tendem a se considerar menos aptas para as carreiras de exatas conforme crescem. As meninas costumam se interessar por tecnologia e exatas, em geral, aos 11 anos, mas aos 15 elas começam a desistir. As razões, segundo a pesquisa, são: ausência de modelos femininos na área, falta de confiança na equidade entre homens e mulheres para exatas e a ausência de contato com cálculo e programação antes da faculdade.

Camila sentiu essa falta de contato maior com as exatas já no primeiro dia de aula, quando notou que todos os alunos sabiam o que era algoritmo e já tinham uma noção básica de lógica de programação, enquanto, para ela, aquilo era tudo novidade. “Eu virei o patinho feio da sala, a burra. Comecei a me questionar do por quê estava ali.”

Anos depois de ter encontrado a fotografia, a ex-aluna do IME trabalha para desmistificar a computação como atividade exclusivamente masculina. A proposta do blog Mulheres na Computação é incentivar, discutir e difundir assuntos relacionados a tecnologia e empreendedorismo sob a ótica de jovens mulheres.

Por meio de cursos e workshops, a equipe do blog leva programação, lógica, cálculo, internet das coisas, entre outros temas, para as meninas. A intenção, segundo Camila, é acabar com a ideia de que tecnologia é difícil e tarefa de gênios.

Para ela, pequenas atitudes podem contribuir para atrair as mulheres de volta para a área. “Aos homens, cabe o papel de ‘evangelizar’, não deixar que o amigo faça piadas contra a colega de profissão, e quando uma menina perguntar o que ele faz, explicar de fato e não dizer que é algo difícil que ela não entende. E, às meninas, cabe refletir se aquela sensação de que não é para elas a área, é de fato verdade ou uma ideia que foi imposta a elas.”


Professora integrou equipe que projetou e construiu o primeiro computador do Brasil

slide

Considerado o primeiro computador totalmente desenvolvido e construído no Brasil, o Patinho Feio, como ficou conhecida a máquina, foi fruto de um projeto da Escola Politécnica (Poli) da USP, coordenado pelo professor Antônio Hélio Guerra Vieira, ex-reitor da Universidade.

A professora Edith Ranzini foi uma das quatro mulheres que contribuíram com o projeto. Além da criação do computador, ela também foi responsável por implantar o curso de Engenharia Elétrica com ênfase em Computação na Poli.

Ela conta que entre os 360 colegas de sua turma, apenas 12 eram mulheres. Contudo, acredita que fazer parte da minoria nunca foi motivo para ser discriminada ou subjugada. “Não existe essa história de que, pelo fato de ser mulher, uma pessoa é engenheira ou professora de segunda categoria”, defende.

Ranzini passou a integrar o corpo docente da Poli em 1971 e se aposentou em 2003, mas continua contribuindo com a Universidade. Foi presidente da Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia (FDTE) e professora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC).

Da Assessoria de Imprensa da Poli


Além do trabalho de Camila, outras iniciativas buscam atrair as mulheres para a tecnologia. São projetos como Meninas na Computação, que incentiva o ingresso de jovens sergipanas na ciência da computação, Cunhatã Digital, que visa a atrair mulheres da região amazônica para a tecnologia e, principalmente, o Meninas Digitais, da Sociedade Brasileira de Computação (SBC), direcionado a alunas do ensino médio e últimos anos do fundamental.

“O Meninas Digitais envolve centenas de meninas, em todo o Brasil, durante o ano todo, em práticas educacionais na computação”, explica a ex-presidente da SBC e ex-embaixadora do Comitê Mulheres da Associação Americana de Computação (ACM), Claudia Bauzer Medeiros.

“A SBC tem atividades regulares iniciadas há 11 anos. Começaram com um evento de um dia, o Women in Information Technology (WIT), que hoje é realizado durante três dias, com atividades de laboratório de programação para meninas, debates e apresentações. Há, além disso, um grupo bastante ativo de docentes e alunas na área de bancos de dados, o Women in dataBases (WomB), que se reúne anualmente durante o Simpósio Brasileiro de Bancos de Dados.”

Para Claudia, a maneira mais eficaz de atrair mais meninas não só para a computação, mas para as carreiras de Ciência e Tecnologia como um todo, é pela educação e esclarecimento desde o ensino fundamental sobre essas áreas. O projeto inspirou uma iniciativa dentro do IME de mesmo nome.

Camila Achutti destaca que incentivar as mulheres para essas carreiras é uma necessidade urgente e que traz apenas benefícios. “Você não precisa ser feminista para concordar comigo, você pode ser só capitalista para notar que essa conta não fecha. Você tem o setor com a maior demanda do mercado e está isolando metade do País. Como continuar desenvolvendo e inovando sem utilizar a mão de obra dessas mulheres?”

Novo visual e atualização de Quem Somos

Como muit@s já notaram, demos uma bela polida na nossa concha e estamos com um novo visual para a versão 2019! O novo tema faz um melhor aproveitamento de tela e possui fontes maiores com maior contraste. Também demos uma reorganizada geral nas nossas seções, visando mais organização e categorização das informações.

Aproveitando o embalo, também atualizamos a seção “Quem Somos”, onde apontamos nosso horizonte político, nossos valores e os caminhos que encontramos para chegar lá. A figura abaixo fica para instigar a leitura 🙂

Como Criptografar seus Emails de Forma Fácil

Quando enviamos um e-mail para outras pessoas é como se enviássemos cartões postais, quer dizer toda a mensagem fica exposta para quem quiser interceptar. Em alguns casos, a mensagem até fica protegida enquanto está em trânsito, mas uma vez que chega nos servidores, fica legível e à disposição das empresas que hospedam nossas contas.

Usar métodos de criptografia para impedir que leiam seus e-mails muitas vezes é percebido como uma tarefa complexa. Porém com as ferramentas certas, podemos criptografar nossas mensagens com uns poucos cliques. Isso é uma saída para quando precisamos trocar mensagens mais intimas ou proteger nossas conspirações para organizar piqueniques subversivos. Na verdade, a criptografia serve para todos os momentos em que não queremos que nossos dados sejam observados, vendidos, gravados e guardados para posterioridade, independente do que estamos falando. Ou seja, SEMPRE. Nesse tutorial vamos ensinar como instalar os plugins necessários para criar seu par de chaves GPG e criptografar suas mensagens no cliente de email.

Breve História

Paul Zimmermann, um ativista contra o uso de energia nuclear norte-americano, desenvolveu em 1991 a primeira versão do programa de criptografia PGP. O nome vem da sigla em inglês Pretty Good Privacy (em português seria algo como Privacidade Muito Boa) e tinha o intuito de permitir a postagem anônima em fóruns online, impedindo que o movimento anti-nuclear fosse vigiado pelo Estado. O programa se espalhou rapidamente, principalmente por ter sido lançado gratuitamente e com código aberto incluído com todas as cópias. Em pouco tempo, estava sendo usado ao redor do mundo por dissidentes, ativistas e cypherpunks.

Nos anos que se seguiram, Zimmermann enfrentou várias batalhas judiciais em função de ter sido responsável pelo desenvolvimento do PGP, no entanto seguiu desenvolvendo melhorias no código. Na metade da década de 1990, Zimmermann e seus colegas formaram uma empresa para seguir com o desenvolvimento do PGP. Posteriormente, essa empresa foi adquirida por outras companhias, entre elas a Symantec. Em 1997, Zimmermann e sua equipe propuseram para a IETF (Internet Engineering Task Force) a criação de um padrão de criptografia que pudesse ser intercambiável com o protocolo PGP. Esse padrão veio a ser chamado OpenPGP e a partir daí muitos programas começaram a ser desenvolvidos em torno desse protocolo. A Free Software Foundation desenvolveu o programa Gnu Privacy Guard (GPG ou GnuPG) que é aplicado por várias interfaces. Outros programas estão disponíveis em diferentes linguagens e para diferentes plataformas, incluindo Android e iOS.

Como Funciona

A criptografia PGP  funciona com o uso de um par de chaves assimétricas geradas aleatoriamente. Cada pessoa possui seu par de chaves, sendo uma chave pública e a outra privada. A chave privada é secreta, deve ser guardada com segurança e nunca compartilhada com nenhuma pessoa. É com ela que você vai desembaralhar as mensagens criptografadas que receber. Já a chave pública será utilizada por quem quiser lhe enviar uma mensagem criptografada, por isso é bom que você divulgue ela para seus contatos. Abordamos mais a fundo esse assunto nessa postagem.

Existem muitos usos para a criptografia por chaves assimétricas além de segurança de e-mails, sendo parte importante da segurança em vários protocolos da internet como TLS, mensagens instantâneas e podendo ser usada para verificar a integridade de arquivos como demonstramos anteriormente aqui.

Baixando os complementos necessários

GnuPG, GPG4Win e GPGTools

Se você usa sistemas operacionais Gnu/Linux você provavelmente já tem GnuPG instalado em seu computador. Se você roda sistemas operacionais não-livres, terá que baixar e instalar um programa para operar as suas chaves. Para Windows, você deve baixar o programa GPG4Win e para Mac o programa se chama GPGTools. Baixe e instale optando sempre pelas configurações padrões.

Thunderbird

Você vai precisar de um cliente de e-mails instalado em seu computador. Um cliente de e-mails é um programa que opera no seu computador e acessa de modo seguro seu servidor de e-mails para receber e enviar mensagens. Ainda que existam complementos que permitem utilizar chaves PGP diretamente no webmail, é preferível fazer a criptografia na própria máquina. Lembre-se, sua chave privada deve ficar somente com você. Para esse tutorial, vamos usar o Thunderbird (da Mozilla Foundation). Existe um software livre de código aberto baseado no cliente da Mozilla chamado de IceDove. Caso você ainda não tenha o programa instalado, baixe-o no site da Mozilla e instale-o.

Abra o Thunderbird e siga o assistente de configuração passo-a-passo para configurar sua conta de e-mail.

Caso utilize uma conta em servidores radicais como o Riseup.net ou Inventati, dê uma conferida nos tutoriais que esses coletivos disponibilizam, pois oferecem configurações otimizadas para maior segurança.

Enigmail

Com sua conta configurada para receber e enviar e-mails através do Thunderbird, é hora de baixar o complemento Enigmail. É esse plugin que vai servir de interface para todo o processo de criptografia do GnuPG.

No menu do programa de e-mails, busque a parte de configurações – geralmente representada por três barras empilhadas no canto direito superior. Nesse menu, vá até Ferramentas e então Complementos. Busque por Enigmail, e depois de instalá-lo reinicie o programa.

Criando suas chaves

Quando reiniciar o programa, o assistente de configurações do Enigmail deve abrir automaticamente. Caso não abra, vá novamente até o menu do programa de e-mails e selecione Enigmail e Assistente de Configuração.

No assistente de configuração, clique em Avançar com as opções padrão selecionadas, exceto nesses casos:

-> Na tela intitulada “Encryption”, selecione “Encrypt all of my messages by default, because privacy is critical to me”.
-> Na tela intitulada “Assinatura”, selecione “Don’t sign my messages by default”.
-> Na tela intitulada “Seleção de Chave”, selecione “Eu desejo criar um novo par de chaves para assinar e criptografar minhas mensagens”.
-> Na tela intitulada “Criar Chave”, escolha uma senha forte!

Recomendamos fortemente a utilização de senhas longas e aleatórias. Considere utilizar um gerenciador de senhas ou o método Diceware (Dadoware) para elaboração dessa senha. Descreveremos esse método em breve.

A seguir, o computador irá gerar seu par de chaves. Isso pode demorar um pouco, nesse meio tempo é importante que você utilize seu computador para todo o tipo de tarefas, isso vai ajudar o computador a gerar suas chaves aleatórias.

Pronto!

Teste suas configurações: Envie um e-mail para Edward, o bot da Free Software Foundation, << edward-pt-br@fsf.org >>. Comece enviando sua chave pública em anexo para o bot. Lembre-se que esse e-mail não pode ser criptografado, já que você ainda não tem a chave pública de Edward. Ele lhe responderá em alguns minutos e você poderá testar descriptografar sua primeira mensagem! Desse momento em diante, a criptografia acontecerá automaticamente entre vocês.

Aproveite para achar um/a cúmplice para seguir esse tutorial e criar suas chaves. Usem as ferramentas para começar a se enviar e-mails verdadeiramente privados!

Breve história do Riseup.net

Esse texto foi enviado, em diversas línguas, às usuárias do Riseup, em 15 de novembro de 2013.


Queridas pessoas que usam Riseup:

Aqui está a história de como nos tornamos o Riseup que somos.

Era uma vez, lá pelos fins de 1999 quando a internet ainda era jovem e o milênio engatinhava, dois geeks se empolgaram nos protestos contra a OMC em Seattle, Estados Unidos. Após uma semana de gás lacrimogênio, cadeia, fantasias e muitos cantos e palavras de ordem, se sentaram na sala de casa e conversaram sobre o que o movimento precisava para a próxima década. Daí, surgiu a ideia de Riseup.net como um provedor independente de listas e e-mails. Eles criaram Riseup com um par de servidores em sua casa, e logo atraíram mais uns dois geeks para a causa.

Todos os anos Riseup crescia e crescia, e acabou se tornando uma dor de cabeça no sentido de que demandava mais trabalho e dependia de mais pessoas. Algumas pessoas entraram e saíram do coletivo, e houve anos difíceis nos quais não era claro se colocar tanto tempo e dinheiro neste projeto era a coisa certa a fazer. Mas teimosamente, Riseup continuou seu caminho.

As habilidades do grupo aumentaram em relação a prover serviços estáveis e seguros. Mais pessoas se juntaram ao coletivo e elas eram ativistas valiosas: o tipo de gente que trabalha duro em todas as irritantes minúcias do dia a dia, que aparece nas reuniões e se preocupa profundamente com esse projeto quixotesco, e que fica acordada a noite toda em momentos de crise para exercer toda sua poderosa destreza hacker, parecendo até mágica para aqueles do coletivo (como eu) que são escritores e não geeks.

Então, em algum momento em 2007, o coletivo começou a ter membros mais estáveis e nos tornamos um grupo de cerca de dez pessoas. Na sua maioria, são as mesmas pessoas que temos hoje. Nos últimos oito anos, nos tornamos um coletivo real, algo raro. Temos trabalhado juntos em Riseup por um longo tempo, e aos poucos, isso se tornou algo grande em nossas vidas. Celebramos – as que vivem próximas – nossas festas juntas e nos preocupamos uns com os outros de uma forma sincera e verdadeira. Um dos maiores êxitos secretos de Riseup foi quando Mutuca e Arara se conheceram em um de nossos retiros e se apaixonaram. De vez em quando, temos tido conflitos, brigado e nos irritado uns com os outros (já que somos humanos e não robôs), e isso levou até a algumas pessoas saírem do coletivo. Mas no geral, temos sido surpreendentemente estáveis como um todo. Entretanto, passamos de energéticos e sonhadores jovens radicais para rabugentos e sonhadores radicais de meia-idade.

E ainda, em algum momento nos últimos oito anos, Riseup se tornou uma força a ser respeitada. Somos o maior provedor de e-mails sem fins lucrativos do planeta, fora do sistema universitário. Rodamos um dos nós da rede TOR mais usados do mundo. Somos frequentemente citados e recomendados como um dos poucos provedores éticos, autônomos e seguros da internet. Encaramos legalmente a extrema-direita dos Estados Unidos para não dar informações de nossos usuários e conseguimos. Usamos e desenvolvemos softwares seguros e porretas. Articulamos com outros coletivos tecnológicos ao redor do globo sobre o que faremos frente a toda essa espionagem e como podemos continuar este trabalho na próxima década. Temos grandes corações e mentes, e planejamos vencer.

Então, esses somos nós. Ou uma das nossas histórias. Nos apoie se puder!
https://help.riseup.net/pt/pt-doacao

Com amor,
A passarada de Riseup