Boas Práticas Para Reuniões – Parte 2: Reuniões Online

Em alguns casos as reuniões presenciais não são possíveis. Hoje em dia todo mundo anda sem tempo mas ainda assim querendo tocar as coisas. Também às vezes sentimos necessidade de nos organizar com pessoas de outras cidades ou até de outros países. Nada disso precisa ser um empecilho para fazer as coisas acontecerem! É aí que aparecem as reuniões online.

Se reuniões presenciais feitas na espontaneidade costumam ser uma perda de tempo, quando tentamos fazer isso à distância então vira um desastre. Como abordamos anteriormente, qualquer tipo de reunião irá se beneficiar de uma comunicação clara e focada. Geralmente, acordos prévios tornam as coisas muito mais fáceis e agradáveis.

Reuniões online são muito parecidas com as presenciais, por isso achamos necessário falar  antes sobre como fazer uma boa reunião e, acima de tudo, quais cuidados são necessários para evitar efeitos nocivos decorrentes das diferenças de poder entre pessoas tomando decisões.

Valores

Quando falamos de tecnologia, nós no mar1sc0tron pensamos sempre em política também. Por isso, além de funcionar, a ferramenta usada para comunicação numa reunião deve ter o máximo possível as características políticas que desejamos para o mundo:

  1. Conhecimento livre: os softwares livres de código aberto (site, programa, aplicativo de celular) permitem sua auditoria, uso, aprendizado e modificação comunitários. Encorajamos o uso dessa categoria de softwares, apesar de não termos o conhecimento técnico para avaliá-los.
  2. Privacidade: a maior parte das nossas comunicações são corriqueiras. Porém, a privacidade é um valor fundamental para a liberdade dos “de baixo” e circunstancial para a dos “de cima”. Para isso, precisamos de criptografia de ponta-a-ponta (de preferência, com a chave privada sob nosso controle).
  3. Descentralidade: os protocolos privados (google, facebook, whatsapp, telegram, inclusive signal) estão transformando a internet num conjunto de locais exclusivos e controlados. Promovemos o uso de protocolos federados para que as ferramentas possam se espalhar, se metamorfosear de diferentes jeitos e distribuir o poder de controle da rede.
  4. Desenvolvimento autônomo e não-lucrativo: apoiamos os coletivos que desenvolvem tecnologia e incentivamos o uso das ferramentas criadas por eles. Queremos uma sociedade que promova a autonomia coletiva e individual.

Parte técnica: problemas e soluções

Dito isso, vamos aos softwares. Em nossas reuniões, usamos um meio para expressar de maneira ágil nossas ideias (áudio), um para anotá-las (bloco de notas online, um pad) e um outro ainda para celebrar-desaprovar de maneira rápida (bate-papo por texto).

Áudio:
– Temos usado o Jitsi versão web por ser prático. Ele possui todos esses meios que listamos como necessários para uma reunião à distância: áudio (e vídeo), bloco de notas online e bate-papo por texto. Dizem que confiar na criptografia realizada no navegador não é muito aconselhável e deixá-la nas mãos do servidor é pior ainda. Esse é o caso do jitsi, então, olho!
– Uma opção mais rápida para áudio-conferência, mas que ainda não testamos é o bom e velho Mumble. Esse software está disponível nos repositórios do Debian. O ideal seria que uma pessoa ficasse de servidor e as outras se conectassem diretamente a ela. A criptografia é de ponta-a-ponta, acontece no seu computador e sua chave privada fica sob seu controle. Essa opção é menos prática, porém mais segura.

Bloco de notas online e Bate-Papo por texto:
– Há muitos anos usamos o bloco de notas online (também conhecidos como pads) para a criação coletiva e sincronizada de textos. Sugerimos o serviço do pad.riseup.net. Para uma opção mais enfeitada tem o cryptopad.fr. Os pads, além de anotações, também possuem embutido o bate-papo por texto (chat), ambos na mesma janela, o que é muito prático.

Acordos e formas de agir

Da mesma forma que em uma reunião presencial, é bastante atravancador ficar cortando a fala das outras pessoas, pulando entre os temas da pauta ou falando de outros assuntos, chegar tarde, etc. Então, além de tudo o que acabamos de descrever, segue alguns acordos prévios que podem ser MUITO úteis para uma reunião online.

  • Início: certifiquem-se que todo mundo está online e que os softwares na ponta estão funcionando. Um ponto importante é checar suas configurações de áudio e vídeos (se utlizados), estão funcionando antes de iniciar a reunião. São bem comuns os problemas com fontes e microfones em reuniões, portanto teste antes!  Como o pad é um software leve, é bem provável que todo mundo consiga fazê-lo funcionar bem (a não ser que o servidor esteja com algum problema). Assim, uma pessoa de cada vez comenta pelo chat como estão as coisas para ela: quem você ouve, como está sua conexão, quais são suas dificuldades ou restrições (alguém pode dizer que está ouvindo todo mundo, mas que não irá falar pois está no trabalho ou numa sala com mais gente).
  • Pautas e a Ata: como todo mundo pode alterar as anotações do pad, montem as pautas e anotem ao vivo o que considerarem necessário. A criação é coletiva e neste caso não é preciso alguém com a função específica de anotar. Marque como tachado algo que você considera desnecessário ou errado. Comente ou altere frases da ata diretamente no pad (evite comentar no chat e ficar esperando que alguém anote o que você quer dizer).
  • Inscrição: Use a primeira linha do pad (ou qualquer lugar no pad designado para isso) para anotar quem quer falar. Ao longo do tempo, isso será uma linha com diversos nomes. É importante ter isso registrado para saber quem está falando muito ou pouco. Será um dos sinais da distribuição do poder de expressão durante a reunião.
    • Marque no chat quando começar sua fala, assim todo mundo pode verificar se está recebendo o seu áudio.
    • Ao terminar, avise claramente que terminou (verbalmente ou pelo chat). Se faltou dizer alguma coisa, espere até sua próxima vez.
    • Marque como tachado quem já falou.
  • Aprovação/desaprovação: o chat pode ser usado para mostrar aprovação (é comum usar a expressão “+1” para dizer que você está se somando àquela ideia) e desaprovação (“-1” ou “desaprovo”).
  • Chat: O chat torna as reuniões muito mais dinâmicas. Outras funções mágicas do chat:
    • pedir silenciosamente pelo chat alguma explicação ou aprofundamento durante uma fala sem ter que interromper a pessoa;
    • anotar quando uma fala começa (escrevendo o nome da pessoa) para saber quanto tempo ela está usando na sua vez. Toda entrada no chat fica marcada com a data e a hora;
    • avise quando você terminou de falar. Combinem uma palavra-chave para isso, como “ponto” ou “terminei”;
    • avisar silenciosamente (pelo chat) quando alguém passou do seu tempo de fala;
    • avisar caso não esteja mais ouvindo alguém;
    • avisar caso tenha caído da áudio-conferência.

Ferramentas adicionais:

  • Tabela para votação qualitativa: ajudar a resolver questões de prioridade. Dá para usar o serviço de votação do crabgrass ou o ethercalc.org.
  • Cronômetro: marcar tempo de fala
  • Sinal sonoro delicado para indicar o fim de uma fala: sininho ou um beep suave
  • Bloco de notas online: para fazer a ata conjuntamente → pad.riseup.net

Na próxima publicação, traremos algumas reflexões sobre consenso.

Boas Práticas Para Reuniões – Parte 1: Distribuição de Poder e Boas práticas em geral

Continuando com a série de publicações relacionadas com boas práticas de organização, desta vez compartilhamos algumas reflexões sobre como organizar reuniões levando em conta valores como descentralização de poder, cultura de segurança e autonomia.

Boas práticas de comunicação são um elemento cultural que ajuda a manter o nosso ativismo funcionando, e as reuniões são atividades que possuem papel central na organização dos grupos para o cumprimento de seus objetivos.

Desta forma, lançaremos três publicações que visam compartilhar um compilado de reflexões e práticas associadas com reuniões. Nosso foco são as reuniões online, porém, vamos iniciar falando sobre acordos gerais, com alguns apontamentos sobre relações de poder e boas práticas.

As práticas não são “regras” estritas que precisam ser seguidas em toda reunião, mas um apanhado de orientações que podemos considerar interessantes (ou não) para o nosso contexto. É importante observar se estamos de fato as colocando em prática, e se elas estão tornando nossas reuniões melhores, tendo em vista os valores que prezamos e os objetivos que queremos alcançar.


Distribuição de Poder e Boas práticas em geral

São muitos os fatores que vão influenciar no bom andamento de uma reunião. É muito importante prestarmos atenção no seguinte: em muitos casos as reuniões são um dos poucos momentos de interação entre o grupo todo, e as dinâmicas da reunião vão influenciar bastante no andamento do grupo posteriormente.

Antes de tudo, como o poder está distribuído?

Não é possível falarmos de uma reunião de pessoas sem ter atenção para as relações de poder envolvidas. Aqui, nosso valor fundamental é a horizontalidade.Ou seja, buscamos garantir espaço de fala para todo mundo e uma escuta que some de nossas potências. Seja entre amigos, na família ou no trabalho, as relações de poder visíveis e invisíveis determinarão o andamento da reunião e o seu resultado, independente de quão brilhante for a sua ideia ou descontente você estiver.

Entre os poderes visíveis, temos:
Tom de fala, forma de olhar, gestos: agressividade e firmeza numa posição são comumente considerados sinais positivos numa disputa. Porém, se o objetivo da conversa não é ver quem está certo ou errado, então isso pode ser sinal de abuso ou desespero (ou os dois). Se esse é “o seu jeito”, preste atenção para ver se ele ajuda o grupo.
Arranjo físico do espaço: alguém na cabeceira de uma mesa comprida consegue ver todo mundo, ao passo que quem estiver na lateral terá sempre um pequeno número de pessoas no seu campo de visão. Diferenças de altura também podem acarretar diferenças de poder. Fontes de ruído assim como de luz podem atrapalhar a comunicação.
Retórica: por mais “visível”/audível que uma fala seja, existem diversas sutilezas no ato discursivo que buscam convencer os outros, independente dos argumentos serem bons ou ruins. Ser um argumento bom ou não também é uma questão retórica, então é preciso ter atenção na linha de raciocínio para não cair em (ou usar) argumentos de autoridade, apelos emocionais infundados, chantagens, entre outros.
Acesso a ferramentas: internet, celular, transporte, dinheiro, materiais gráficos, etc.

E entre os poderes invisíveis, temos:
Privilégios: qualquer sociedade autoritária como a nossa está estruturada de maneira a forçar (independente da sua vontade) que algumas pessoas tenham mais poder que outras. As diferenças entre as pessoas não precisam ser vistas como diferenças inerentes de poder. Elas podem ser formas complementares de poder. Entretanto, isso ainda é utópico, então preste atenção em quem está na sua reunião e o que a sociedade te concede e o que ela te tira.
Estados psíquicos: a energia e a vontade de cada pessoa no momento da reunião são sempre diferentes. Isso influencia, por exemplo, na paciência e na empolgação individual, resultando sempre num efeito coletivo.
Influência no grupo: cada par de pessoas tem um nível diferente de afinidade entre si.
Acesso a informações: algumas pessoas sabem mais sobre o que está acontecendo do que outras.
Tempo disponível: o tempo que cada pessoa tem para se dedicar ao grupo, à pauta da reunião previamente, e o tempo que dispõe para assumir tarefas. Isso pode ser visível ou invisível.
Capital cultural: o conhecimento e as habilidades intelectuais acumulados que cada pessoa tem e que lhe conferem poder e status social.

É claro que outros poderes podem ainda estar envolvidos, mas foram esses que conseguimos pensar até agora

O que queremos com nossa reunião?

Com as dinâmicas de poder mais ou menos claras, agora podemos começar a pensar onde queremos chegar com uma reunião.

Nossa intenção é fazer a reunião acontecer bem e, ao mesmo tempo, diminuir as dinâmicas nocivas de poder.

Tendo a autonomia como valor-guia, constantemente estaremos oscilando entre dois objetivos: tomar decisões e entender as pessoas (encaminhar ações e discutir com atenção). Muitas vezes, uma coisa leva à outra, mas nem sempre. Buscar que a reunião seja encaminhativa a qualquer custo, na maioria das vezes, leva ao abuso de poder ou ao afastamento. Por outro lado, já presenciamos diversas reuniões extremamente enfadonhas quando uma pessoa ou outra usava seu tempo de fala (e extrapolava-o) para contar seus problemas pessoais e angústias. Não é isso que queremos.

Lembre-se: a reunião é apenas um instante no acontecimento social, na vida do grupo. Ela não deve ser o único nem o derradeiro momento de conversa. Garanta que existam outros espaços para trocas.

Boas práticas em geral

Para que qualquer reunião tenha mais chances de acontecer bem, alguns pontos parecem ser fundamentais. Lembre-se que a reunião é um acontecimento coletivo e não um lugar para ficar famoso ou ver suas ideias serem aceitas.

PREPARANDO-SE: dicas para fazer antes de ir pra reunião:

  • Pontualidade: busque chegar um pouco mais cedo para trocar ideia, saber das novidades, arrumar o espaço. Reserve a comunicação à distância (email, w-ap, chat) para MARCAR encontros e não o contrário.
  • Equipamentos: se você precisa de alguma coisa para que a reunião aconteça (cadeiras, comida, fone de ouvido, etc.), prepare com antecedência.
  • Local: ajude a preparar o local para que todo mundo se sinta à vontade. Tenha comida, banheiro e almofadas ou cadeiras disponíveis. Um local protegido das intempéries (sol, chuva, vento, ruído) também é importante.
  • Pauta: pense no que você quer levar para a reunião e estude. Se possível, compartilhe previamente seus pontos de interesse com o grupo. Reflita antecipadamente sobre os pontos alheios também.
  • Comunicação: todas as pessoas que querem que a reunião aconteça podem buscar saber se todo mundo foi informado. Basta que uma pessoa fique responsável pelo chamado, mas nada impede que você pergunte e informe as outras.

Logo que as pessoas estiverem reunidas, escolham uma pessoa para servir de coordenadora. A coordenação tem o papel de manter a engrenagem azeitada. Ela está ali para fazer os acordos coletivos acontecerem. Escolher uma coordenadora é uma tentativa de evitar que as pessoas se sintam perseguidas quando quebram as regras da reunião sem perceber. Escolham também uma anotadora. Ela fará a ata e trará de volta algum ponto já acordado para esclarecimento, se for necessário.

REALIZANDO: durante a reunião, fique atenta aos acordos e às dinâmicas de poder:

  • Celular: ao chegar no local, desligue seu celular. Caso precise mantê-lo ligado, avise as outras pessoas e coloque-o no modo silencioso. Se a reunião for tratar de assuntos sensíveis ou sigilosos, desligue o aparelho e coloque-o junto com os outros dentro de uma bolsa LONGE da reunião (em outro cômodo, dentro de um carro, etc.).
  • Pauta: são os pontos a serem discutidos na reunião. Prepare-os antecipadamente. Garanta que todo mundo sabe antecipadamente do que será tratado na reunião. Tentem chegar num consenso sobre a prioridade das pautas. Essa discussão é importante para saber o quê e por quê cada ponto da pauta é importante para as pessoas. Se essa discussão encalhar, faça uma votação qualitativa: cada pessoa dá sua opinião sobre os níveis de prioridades das pautas entre si e, quando todo mundo tiver terminado, a soma dos níveis definirá a ordem das pautas (ver a seção FERRAMENTAS).
  • Término: decidam um bom horário para terminar a reunião. (CONTROVÉRSIA: Caso uma decisão seja urgente e não se tenha chegado a um consenso, lembre-se da diversidade de táticas: ajude no que quer ajudar, não atrapalhe naquilo que não é do seu interesse. Não “assine” sua ação como sendo do grupo. Unicamente nesses casos, é melhor agir, mesmo que sem unidade, do que culpar os outros por não ter feito o que você queria. Deixe aberto ao grupo a possibilidade de te apoiar nas consequências ou não.)
  • Pausa (opcional): caso haja bastante tempo (mais de 2h), programe uma pausa.
  • Disposição das pessoas no espaço: evite desnível de altura e distância. O círculo tem se mostrado, há muitas décadas (talvez milhares de anos), ideal para isso. Caso queiram experimentar, vejam se, ao retirar um pouco de poder de quem tem, a dinâmica do grupo melhora: disponham as pessoas mais confiantes, com algum privilégio ou que estão mais à vontade para falar em público atrás ou abaixo das outras.
  • Inscrição: Uma das formas de se inscrever para discutir algum ponto da pauta é levantando a mão para que as outras pessoas vejam que você tem algo a dizer. Você então espera a pessoa que está com a palavra terminar e então começa. Se houver muita gente, a coordenadora pode ficar responsável por “fazer uma fila” anotando as pessoas inscritas por ordem de chegada. É comum que aqueles que querem discutir a presente pauta tenham prioridade sobre quem quer mudar para um próximo ponto ou voltar em algo que já foi discutido. Esse acordo deve ficar claro no início da reunião e a coordenadora poderá interromper quando notar que alguém está mudando de pauta. É importante lembrar que a inscrição ativa (“quero me inscrever agora”) favorece as pessoas que já têm poder em público. Uma dinâmica para tentar mudar isso é usar a inscrição passiva: todas as pessoas estão inscritas de início, ou seja, todo mundo tem a oportunidade de dar sua opinião se quiser. Nesse caso, é imporatnte controlar o tempo além de que todos saibam o que está sendo feito: juntando opiniões, elencando prós de uma proposta, ou os contras, ou dando informes, etc. Sempre que alguém sair do que está sendo feito naquele momento, a coordenadora deve poder interromper e retornar ao fio da meada. Claro que numa assembleia, a inscrição passiva é impraticável, o que mostra para que tipo de dinâmica de poder ela foi feita (meia dúzia de oradores carismáticos convencendo e comandando a massa).
  • Fala: esse é o nosso principal meio de expressão durante uma reunião. Gestos e olhares também são importantes, eles completam o que está sendo dito. É pela fala que nosso poder se manifesta ativamente (os privilégios e outras formas de poder também estarão presentes mais passivamente, porém serão tão efetivas quanto a fala. Fique atenta).
    • Sempre que necessário, a coordenadora pode lembrar as pessoas a serem mais claras e concisas. Se você achar que precisa de mais tempo para esclarecer seu ponto, avise e sugira você mesma um tempo para que a coordenadora te ajude a terminar.
    • Evite interromper a fala de alguém: isso atrapalha o raciocínio dela e mina sua expressão de poder. Combinem previamente que a coordenadora seja a única a poder interromper a fala de alguém.
    • Quando for sua vez de falar, fique dentro da pauta. Fale o que desejar sobre AQUELE ponto específico. Evite falar de outros pontos da pauta ou de assuntos fora da pauta.
  • Ata: a ata é o resumo da reunião e contém o que foi decidido. Cada encaminhamento deve ter uma responsável e uma data para realização, quando possível. A anotadora enviará a ata para todas as pessoas relacionadas à reunião (presentes ou não). É importante que a ata fique aberta para melhorias e correções.

Uma vez tendo se tornado um hábito, essas dicas farão das suas reuniões momentos muito mais agradáveis, pois você sabe, mais ou menos, o que vai encontrar.

Programação da CripTainha 2019 e Roda de Conversas sobre Segurança de Pés Descalços

 

 

 

Foi lançada a programação da CriptTainha, criptofesta que acontecerá neste sábado, 06/07 em Florianópolis – SC.  Serão mais de 15 atividades envolvendo tecno-política, ativismo, mídia livre, software livre, segurança holística, redes, programação e uma installfest focada em ferramentas para autodefesa digital.

Todas as atividades são gratuitas e não exigem formação. A programação e mais informações podem ser consultadas no sitío web do evento.

Às 14h participaremos de uma roda de conversa sobre Segurança de Pés Descalços,  um Plano Estratégico de Segurança baseado nos princípios de prevenção e autonomia, e que visa criar e manter as condições para a ação de grupos que atuam pela transformação social.

Acreditamos que será um espaço importante para contextualizar melhor esta proposta, bem como debater com atores interessados sobre uma visão estratégica para promover uma Cultura de Segurança.

O evento acontece no Instituto Arco-Íris que fica na travessa ratclif, em local muito próximo do terminal central e da rodoviária. Além de prático, é um local muito especial para a cena politico-cultural e de defesa de direitos humanos na cidade. Venha e participe!

 

 

CripTainha: Criptofesta em Florianópolis no dia 6 de Julho

CriptoFesta em Florianópolis – SC no dia 06/07/19, com chamado de atividades aberto até 22/06/19.

Com a Criptainha queremos construir um encontro aberto, fraterno e divertido para a troca de experiências sobre tecnologia, política, criptografia, segurança holística, software livre, arte e cultura e o que mais cair na rede.

O evento acontecerá em um sábado, 06/07, no Instituto Arco-Íris que fica no centro, em local muito próximo do terminal central e da rodoviária. É um local muito especial para a cena politico-cultural e de defesa de direito humanos na cidade.

Convidamos a tod@s que inscrevam suas atividades até o dia 22/06. Nosso site e o evento em si estão em construção, e ao longo dos próximos dias vamos lançando mais informações.

Clique no enlace para ler o texto completo do chamado.

Estados Democráticos e seus Efeitos Colaterais: Evaldo e Luciano mortos, Assange e Ola Bini presos

No dia 8 de Abril de 2019 o carro de uma família foi fuzilado por 80 tiros no Rio de Janeiro. Dentro estavam o músico Evaldo dos Santos Rosa, que dirigia, o sogro no banco de passageiro, também baleado e, no banco de trás, a companheira do músico, Luciana dos Santos, o filho do casal, de sete anos, e uma amiga.

Os disparos foram feitos por nove militares do Exército Brasileiro, que assassinaram Evaldo e também Luciano Macedo, catador de materiais recicláveis que tentou ajudar a família. A cena da dor de Luciana em frente ao carro perfurado por balas onde se encontrava o corpo do seu companheiro chocou o mundo.

A dor de Luciana dos Santos

No dia seguinte ao crime, o Comando Militar do Leste divulgou uma nota em que dizia que Evaldo e seu sogro eram criminosos. Ambos foram acusados de atirar contra os militares, que revidaram. A nota mentirosa contradizia completamente as imagens divulgadas na internet e os relatos das testemunhas, mas reproduzia o modus operandi das dezenas de “autos de resistência” que acontecem diariamente pelo país.

Evaldo, Luciano e o carro crivado de tiros

Em 11 de Abril, do outro lado do Atlântico Julian Assange era preso em Londres pela polícia Britânica após ser expulso da embaixada do Equador, lugar onde ficou asilado (praticamente preso) durante sete anos, buscando evitar responder por uma acusação de abuso sexual na Suécia, que poderia levá-lo a uma extradição para os EUA.

Julian Assange Preso

Assange ficou conhecido ao tornar-se a face pública da Wikileaks, que ganhou grande repercussão mundial após a divulgação em abril de 2010 de um vídeo chamado “Assassinato Colateral”, que mostrava o massacre covarde de uma dúzia de civis desarmados no Iraque por um helicóptero Apache do Exército dos EUA.

Assassinato Colateral, Iraque, 2007.

Na quinta passada, por 11 votos a 3, os ministros do STM (Superior Tribunal Militar) decidiram por conceder liberdade aos nove militares envolvidos na ação, sendo que a única ministra acusou os militares de manipulação de provas. No mesmo dia o Departamento de Justiça dos EUA apresentou 17 novas acusações contra Assange, que pode enfrentar décadas de prisão após ser acusado de violar a Lei de Espionagem, despertando preocupações de parte da imprensa americana com o cerceamento da liberdade de expressão.

Dois casos que apesar de em contextos distintos nos mostram com clareza a natureza autoritária, hipócrita e assassina dos Estados “Democráticos” e suas Instituições.

Assange foi preso por ajudar a revelar a natureza imperial e assassina dos EUA, o que provavelmente nunca teria ocorrido sem que Chelsea Manning, que serviu ao exército, fornecesse as informações necessárias. Chelsea que passou anos na prisão, sendo a sua detenção mais recente ainda este ano após ter se negado a depor em um caso envolvendo a Wikileaks.

Chelsea Manning

A mais recente vítima desta trama é o desenvolvedor de software Sueco Ola Bini, preso no aeroporto de Quito em 11 de abril, no mesmo dia da prisão de Assange. Seus direitos básicos foram negados: ele não foi informado das acusações e foi mantido sob custódia ilegal sem poder se comunicar com o cônsul sueco. Ola Bini é acusado de “conspirar” com hackers russos e colaborar com a Wikileaks para prejudicar o governo do presidente Lenin Moreno, que entregou Assange de bandeja para seus algozes imperialistas.

Ola Bini

As máscaras vão caindo para aqueles que ainda acreditavam no Estado Democrático de Direito, ou mesmo nas liberdades burguesas, como mostra o caso de Assange com relação a liberdade de expressão, em um processo capitaneado pelos Estados Unidos, ainda sob governo do democrata Barack Obama, e continuada por Donald Trump, com complacência do Reino Unido, da Austrália, Suécia e agora do Equador.

Já aqui no Brasil os “assassinatos colaterais” ocorrem diariamente na guerra contra o seu próprio povo, negro e pobre. Evaldo foi “confundido com bandidos”, estas pessoas que podem ser mortas livremente, desde que se encaixem com determinado perfil bem conhecido por nosso Estado racista e suas policias e forças armadas servis as elites.

Ações que parte da população aplaude ou faz pouco caso, endossando o discurso fascista que ajudou a eleger Bolsonaro e que fornece o apoio popular necessário para a aprovação de projetos de lei como o “PL-Anticrime” do ex-juiz Sérgio Moro, que promete diminuir pena ou mesmo isentar de responsabilização penal policiais que matem em serviço. Não é a toa que o governador do Rio, o também ex-juiz Wilson Witzel se sentiu a vontade para participar de uma operação policial em um helicóptero ao lado de snipers para “dar fim à bandidagem”, e que acabou por metralhar uma tenda evangélica, quase repetindo mais um “assassinato colateral”.

Witzel, governador do Rio no helicóptero em operação que prometia “acabar com a bandidagem”

Os recados são claros: em tempos de crise global do capitalismo, mudanças climáticas e disputas geopolíticas as forças repressivas do Estado se voltam para marginalizar e vigiar ainda mais as classes subalternas, as populações saqueadas pelas guerras e as minorias. Para levar a cabo seus projetos autoritários estes governos precisam contar com uma mobilizada base de apoio,  para a qual não faz diferença moral saber das atrocidades cometidas.

Aquelas que ousarem se levantar contra o status-quo serão acusadas de traidores e duramente reprimidas. Se organizar e tomar medidas para melhorar nossa segurança são imperativos para quem está disposto a resistir aos tempos sombrios que se avizinham, e para quem ainda acredita que outros mundos são possíveis.

[entrevista] Proteção e segurança digital: um convite à militância

O Portal Planeta Minas Gerais fez uma entrevista conosco em nossa passagem pela CriptoTrem. Confira a entrevista, em duas partes:

Parte 1: Proteção e segurança digital: um convite à militância

Parte 2: Bolsonaro, censura, perseguição digital e auto segurança em tempos de fascismo


Proteção e segurança digital: um convite à militância

Edward Snowden, Julian Assange, Ola Bini, Deep Web, Facebook, Censura e rastreamento digital, estão mais presentes no nosso cotidiano do que você imagina. A era da perseguição digital já chegou. Será que estamos prontos para mantermos nossa privacidade intacta?

Em 12 de abril, a Polícia Metropolitana de Londres deteve  Julian Assange, cofundador do Wikileaks, depois que o Equador cassou o asilo diplomático. Assange enfrenta a acusação de um grave crime contra a segurança dos computadores: a publicação, no site Wikileaks, de centenas de milhares de documentos classificados pelo Departamento de Defesa como secretos, e por montar uma rede de fontes que revelaram ao mundo farsas e manipulações governamentais. Diante deste quadro de incertezas, de espionagens na rede, que cresce cada vez mais a necessidade de nos protegermos, de mantermos segura nossas identidades e privacidade.

O Mariscotron é um coletivo anarquista que promove cultura de segurança. Entrevistamos os caras sobre diversos assuntos, tão oportunos neste momento que vivemos.

Planeta: Como surgiu o coletivo?

M@: Muitas de nós já praticavam formas mais seguras de comunicação e organização, herança da participação em organizações como Centro de Mídia Independente, Movimento Passe Livre e rádios livres. Porém, a partir de 2013, com as jornadas de junho e as revelações de Snowden sobre a vigilância massiva das agências de inteligência gringas, começamos a pesquisar sobre estes assuntos com mais dedicação e profundidade. Em 2014, oferecemos nossa primeira oficina sobre comunicação digital segura, marcando o início do coletivo.

Planeta: Quais são os objetivos ou causas que vocês defendem?

M@:Nosso objetivo principal é a promoção de uma Cultura de Segurança. Para isso, oferecemos oficinas e formações, assim como traduzimos informações técnicas e de metodologia para o português. Temos como horizonte político uma sociedade anarquista, onde a autonomia, a livre associação, a cooperação formem o senso comum e não a exceção. Portanto estes princípios nos orientam politicamente em nossa relação com a tecnologia, mas também nas relações que estabelecemos com os coletivos e pessoas com as quais colaboramos, visando apoiá-las em seus objetivos próprios de transformação social.

Durante o último ano, quando ocorreram as eleições para presidente, resultando na eleição democrática de Bolsonaro, começamos a repensar nossa forma de atuação. Em nossas discussões internas e reflexões, levando em consideração tanto o contexto global e o nacional, assim como as nossas capacidades como coletivo, chegamos a uma estratégia chamada Segurança de Pés Descalços. Esse é um plano de longo prazo que visa elevar o nível geral da segurança ativista através da descentralização do cuidado, da autonomia do aprendizado e da continuidade das formações. O elemento chave dessa estratégia é uma figura que chamados de “agente multiplicador”. Essa pessoa será acompanhada durante meses numa formação de boas práticas de segurança e técnicas básicas de privacidade replicando esse conhecimento no seu próprio coletivo ou organização de
atuação. Queremos assim, pensando nos próximos 10 anos, que os grupos não dependam dos coletivos formadores (especialistas) e caminhem o melhor possível com suas próprias pernas dentro do seu contexto específico.

Planeta: de que forma vocês podem ajudar os coletivos, os movimentos sociais e a militância?

M@:De maneira geral, atuamos através de oficinas e formações para organizações ativistas. A partir desse ano, com a estratégia da Segurança de Pés Descalços, colocaremos nosso esforço na formação de agentes multiplicadores e na divulgação dessa visão estratégica. Como não estamos em Belo Horizonte, seria muito difícil e custoso fazer o acompanhamento de agentes em BH. Porém, nossa presença aqui (com uma conversa na CriptoTrem) auxilia no contato entre ativistas da cidade e na formação dessa rede difusa que aproxima movimentos sociais e formadores em segurança por todo o Brasil.

Planeta: Como os movimentos sociais podem fazer pra se protegerem?

A primeira coisa é entenderem a importância do cuidado (de maneira ampla) para a manutenção e ampliação do seu espaço de trabalho. Isso desperta a consciência para a necessidade de dedicar tempo e energia para uma mudança de comportamento, tanto pessoal como da organização.Isso é o principal.

Temos, todas nós, que adotar boas práticas de segurança para criar um ambiente geral mais seguro, é isto que chamamos
de desenvolver uma Cultura de Segurança. Só por último é que vamos olhar para softwares ou técnicas específicas. Para entendermos a necessidade de mudança, precisamos ter fundamentos e princípios sólidos que embasem nossa ação. Assim, caso precisemos trocar de aplicativo ou adotar uma
nova prática, isso acontecerá de forma espontânea e determinada.

Planeta: Expliquem melhor sobre o programa segurança de pés descalços

M@: Gostaríamos de ressaltar o plano estratégico da Segurança de Pés Descalços. Estamos apostando na construção coletiva deste plano, e esperamos contar com o apoio de outros coletivos em uma ação coordenada, visando elevar o nível de segurança de forma descentralizada e autônoma. A versão atual deste plano pode ser lida em: https://spd.libertar.org, e ele está aberto para colaboração.

[fim da entrevista]

Auto proteção e segurança digital: governo X privacidade do usuário

Os direitos fundamentais sobrepuseram-se, assim, às estratégias de concorrência entre nações e as telecomunicações se revelaram como ambiente no qual a tensão entre a violação e a garantia desses direitos se coloca em plano global.

Com o empurrãozinho que nos foi dado pelo caso Snowden, conseguimos fortalecer nossa luta em defesa da garantia de direitos fundamentais, o que resultou na aprovação do Marco Civil da Internet no Brasil e na realização do NET Mundial, primeiro encontro mundial e multissetorial tendo como agenda central o debate sobre o futuro de uma nova governança da Internet. Defender esse exilado contra a perseguição que vem sofrendo atualmente é reafirmar como prioridade a salvaguarda desses direitos.

Fonte: com informações do Coletivo Mariscotron/El País/Carta Capital

Apresentação e Roda de Conversa sobre Segurança de Pés de Descalços na CryptoRave 2019

Neste sábado, das 12:40 às 13:30 do dia 04 de Maio vai acontecer na CryptoRave uma Roda de Conversa sobre a Segurança de Pés de Descalços. Acreditamos que será um espaço importante para contextualizar melhor esta proposta, bem como debater sobre uma visão estratégica para promover uma Cultura de Segurança. Venha e participe!

Este ano a CryptoRave acontecerá na Biblioteca Mário de Andrade, pertinho do Metrô Anhangabaú (linha vermelha), em São Paulo Capital.

A programação completa do evento pode ser vista em: https://cpa.cryptorave.org/en/cr2019/events/388

CriptoTrem – 13 de abril em Belo Horizonte (MG)

A primeira edição da CriptoTrem acontece em BH no dia 13 de abril de 2019, com um sábado dedicado a atividades, rodas de conversas, oficinas e debates para iniciantes e iniciados sobre o atual contexto de cultura de segurança, anonimato, hacking, vigilância e liberdade na rede.

Com o tema BH pela Privacidade, Igualdade e Liberdade na Rede, serão 13 horas de programação ininterruptas, contando com palestras, rodas de conversas, debates, oficinas, apresentações, installfest e uma bela festa para encerrar o evento, celebrando a resistência, as liberdades e a democracia nas redes!

A CriptoTrem é parte do movimento global das CriptoFestas ― eventos que têm como meta difundir práticas e discussões sobre autodefesa no espaço digital: comunicação segura, navegação anônima, introdução ao Linux, entre outros.

Ao reunir especialistas – técnicos e estudiosos -, movimentos sociais e novatos no assunto o evento visa garantir conhecimento acessível para todas as pessoas sobre um assunto que cada vez mais vai determinar o modelo socio-político e tecnológico em que vivemos: o processamento de dados em massa.

O objetivo principal da CriptoTrem é disseminar e perpetuar uma cultura de privacidade que permita que a criatividade, a livre expressão e o direito à organização possam existir.

Fonte: divulgação do grupo

Divulgue! https://criptotrem.org/

Novo visual e atualização de Quem Somos

Como muit@s já notaram, demos uma bela polida na nossa concha e estamos com um novo visual para a versão 2019! O novo tema faz um melhor aproveitamento de tela e possui fontes maiores com maior contraste. Também demos uma reorganizada geral nas nossas seções, visando mais organização e categorização das informações.

Aproveitando o embalo, também atualizamos a seção “Quem Somos”, onde apontamos nosso horizonte político, nossos valores e os caminhos que encontramos para chegar lá. A figura abaixo fica para instigar a leitura 🙂