Skip navigation

Tag Archives: segurança

Atualmente a tecnologia permeia nossas vidas: temos smartphones em nossos bolsos, smartTVs em nossas salas, câmeras de vigilância por toda a cidade, reconhecimento facial no transporte público, e redes sociais para nos conectar a isso tudo. Mais do que isso, a tecnologia media boa parte das nossas interações: nossas amizades, nossas conversas, nossos eventos, nosso consumo e até mesmo nosso ativismo.

Todos os nossos dados estão expostos e sendo filtrados por métodos de vigilância de arrasto. Quando nos engajamos na luta para promover uma mudança social, nossos dados estão ainda mais em risco. É imprescindivel que tenhamos noções básicas de autodefesa digital e retomemos o poder de escolher o que queremos compartilhar e com quem.

Os coletivos Coisa Preta e mar1sc0tron promovem uma Oficina de Segurança Digital para Ativistas na Infoshop A Gata Preta, no sábado, 15 de julho, em Belo Horizonte. Vamos falar um pouco sobre a estrutura básica da comunicação pela internet, cultura de segurança, segurança da informação e ferramentas de autodefesa digital.

A Gata Preta fica no Edificio Maletta, na Rua da Bahia, 1148 sobreloja 35, Centro – Belo Horizonte.
A oficina inicia às 16h.
Traga seu computador e celular para instalarmos algumas das ferramentas que vamos estar apresentando.
A atividade é gratuita, mas haverá uma caixinha de colaborações espontâneas para cobrirmos os custos do evento.

Quando enviamos um e-mail para outras pessoas é como se enviássemos cartões postais, quer dizer toda a mensagem fica exposta para quem quiser interceptar. Em alguns casos, a mensagem até fica protegida enquanto está em trânsito, mas uma vez que chega nos servidores, fica legível e à disposição das empresas que hospedam nossas contas.

Usar métodos de criptografia para impedir que leiam seus e-mails muitas vezes é percebido como uma tarefa complexa. Porém com as ferramentas certas, podemos criptografar nossas mensagens com uns poucos cliques. Isso é uma saída para quando precisamos trocar mensagens mais intimas ou proteger nossas conspirações para organizar piqueniques subversivos. Na verdade, a criptografia serve para todos os momentos em que não queremos que nossos dados sejam observados, vendidos, gravados e guardados para posterioridade, independente do que estamos falando. Ou seja, SEMPRE. Nesse tutorial vamos ensinar como instalar os plugins necessários para criar seu par de chaves GPG e criptografar suas mensagens no cliente de email.

Breve História

Paul Zimmermann, um ativista contra o uso de energia nuclear norte-americano, desenvolveu em 1991 a primeira versão do programa de criptografia PGP. O nome vem da sigla em inglês Pretty Good Privacy (em português seria algo como Privacidade Muito Boa) e tinha o intuito de permitir a postagem anônima em fóruns online, impedindo que o movimento anti-nuclear fosse vigiado pelo Estado. O programa se espalhou rapidamente, principalmente por ter sido lançado gratuitamente e com código aberto incluído com todas as cópias. Em pouco tempo, estava sendo usado ao redor do mundo por dissidentes, ativistas e cypherpunks.

Nos anos que se seguiram, Zimmermann enfrentou várias batalhas judiciais em função de ter sido responsável pelo desenvolvimento do PGP, no entanto seguiu desenvolvendo melhorias no código. Na metade da década de 1990, Zimmermann e seus colegas formaram uma empresa para seguir com o desenvolvimento do PGP. Posteriormente, essa empresa foi adquirida por outras companhias, entre elas a Symantec. Em 1997, Zimmermann e sua equipe propuseram para a IETF (Internet Engineering Task Force) a criação de um padrão de criptografia que pudesse ser intercambiável com o protocolo PGP. Esse padrão veio a ser chamado OpenPGP e a partir daí muitos programas começaram a ser desenvolvidos em torno desse protocolo. A Free Software Foundation desenvolveu o programa Gnu Privacy Guard (GPG ou GnuPG) que é aplicado por várias interfaces. Outros programas estão disponíveis em diferentes linguagens e para diferentes plataformas, incluindo Android e iOS.

Como Funciona

A criptografia PGP  funciona com o uso de um par de chaves assimétricas geradas aleatoriamente. Cada pessoa possui seu par de chaves, sendo uma chave pública e a outra privada. A chave privada é secreta, deve ser guardada com segurança e nunca compartilhada com nenhuma pessoa. É com ela que você vai desembaralhar as mensagens criptografadas que receber. Já a chave pública será utilizada por quem quiser lhe enviar uma mensagem criptografada, por isso é bom que você divulgue ela para seus contatos. Abordamos mais a fundo esse assunto nessa postagem.

Existem muitos usos para a criptografia por chaves assimétricas além de segurança de e-mails, sendo parte importante da segurança em vários protocolos da internet como TLS, mensagens instantâneas e podendo ser usada para verificar a integridade de arquivos como demonstramos anteriormente aqui.

Baixando os complementos necessários

GnuPG, GPG4Win e GPGTools

Se você usa sistemas operacionais Gnu/Linux você provavelmente já tem GnuPG instalado em seu computador. Se você roda sistemas operacionais não-livres, terá que baixar e instalar um programa para operar as suas chaves. Para Windows, você deve baixar o programa GPG4Win e para Mac o programa se chama GPGTools. Baixe e instale optando sempre pelas configurações padrões.

Thunderbird

Você vai precisar de um cliente de e-mails instalado em seu computador. Um cliente de e-mails é um programa que opera no seu computador e acessa de modo seguro seu servidor de e-mails para receber e enviar mensagens. Ainda que existam complementos que permitem utilizar chaves PGP diretamente no webmail, é preferível fazer a criptografia na própria máquina. Lembre-se, sua chave privada deve ficar somente com você. Para esse tutorial, vamos usar o Thunderbird (da Mozilla Foundation). Existe um software livre de código aberto baseado no cliente da Mozilla chamado de IceDove. Caso você ainda não tenha o programa instalado, baixe-o no site da Mozilla e instale-o.

Abra o Thunderbird e siga o assistente de configuração passo-a-passo para configurar sua conta de e-mail.

Caso utilize uma conta em servidores radicais como o Riseup.net ou Inventati, dê uma conferida nos tutoriais que esses coletivos disponibilizam, pois oferecem configurações otimizadas para maior segurança.

Enigmail

Com sua conta configurada para receber e enviar e-mails através do Thunderbird, é hora de baixar o complemento Enigmail. É esse plugin que vai servir de interface para todo o processo de criptografia do GnuPG.

No menu do programa de e-mails, busque a parte de configurações – geralmente representada por três barras empilhadas no canto direito superior. Nesse menu, vá até Ferramentas e então Complementos. Busque por Enigmail, e depois de instalá-lo reinicie o programa.

Criando suas chaves

Quando reiniciar o programa, o assistente de configurações do Enigmail deve abrir automaticamente. Caso não abra, vá novamente até o menu do programa de e-mails e selecione Enigmail e Assistente de Configuração.

No assistente de configuração, clique em Avançar com as opções padrão selecionadas, exceto nesses casos:

-> Na tela intitulada “Encryption”, selecione “Encrypt all of my messages by default, because privacy is critical to me”.
-> Na tela intitulada “Assinatura”, selecione “Don’t sign my messages by default”.
-> Na tela intitulada “Seleção de Chave”, selecione “Eu desejo criar um novo par de chaves para assinar e criptografar minhas mensagens”.
-> Na tela intitulada “Criar Chave”, escolha uma senha forte!

Recomendamos fortemente a utilização de senhas longas e aleatórias. Considere utilizar um gerenciador de senhas ou o método Diceware (Dadoware) para elaboração dessa senha. Descreveremos esse método em breve.

A seguir, o computador irá gerar seu par de chaves. Isso pode demorar um pouco, nesse meio tempo é importante que você utilize seu computador para todo o tipo de tarefas, isso vai ajudar o computador a gerar suas chaves aleatórias.

Pronto!

Teste suas configurações: Envie um e-mail para Edward, o bot da Free Software Foundation, << edward-pt-br@fsf.org >>. Comece enviando sua chave pública em anexo para o bot. Lembre-se que esse e-mail não pode ser criptografado, já que você ainda não tem a chave pública de Edward. Ele lhe responderá em alguns minutos e você poderá testar descriptografar sua primeira mensagem! Desse momento em diante, a criptografia acontecerá automaticamente entre vocês.

Aproveite para achar um/a cúmplice para seguir esse tutorial e criar suas chaves. Usem as ferramentas para começar a se enviar e-mails verdadeiramente privados!

Tradução do artigo de 26/01/2017 da EFF Where WhatsApp Went Wrong: EFF’s Four Biggest Security Concerns.

Onde foi que o WhatsApp errou?

Nenhuma tecnologia é 100% segura para todos os usuários, e sempre existem perdas e ganhos em relação à segurança, facilidade de uso e outras considerações. No manual de Autodefesa contra Vigilância (Surveillance Self Defense – SSD), nosso objetivo é destacar tecnologias confiáveis e ao mesmo tempo explicar e chamar atenção para como seus pontos fortes e fracos afetam a privacidade e a segurança do usuário. No caso do WhatsApp, está ficando cada vez mais difícil de explicar adequadamente suas armadilhas de forma clara, compreensível e prática. Tem sido assim especialmente desde o aviso do WhatsApp de que a empresa mudaria seu acordo com os usuários com respeito ao compartilhamento de dados com os outros serviços do Facebook.

Isso é uma pena precisamente por causa dos pontos fortes de segurança do WhatsApp. No fundo, o WhatsApp usa o que há de melhor em troca de mensagens encriptadas: o Protocolo Signal. Isso confere uma ótima garantia de que as mensagens entre você e seus contatos são encriptadas de forma que mesmo o WhatsApp não pode lê-las, que a identidade de seus contatos pode ser verificada e que mesmo se alguém roubar suas chaves de encriptação e for capaz de “grampear” a sua conexão, ele não conseguirá desencriptar as mensagens que você enviou no passado. Na linguagem de criptografia, essas garantias são chamadas de encriptação de ponta a ponta, autenticidade, e sigilo encaminhado (forward secrecy).

Não temos nenhum problema em como essa encriptação é feita. Na verdade, esperamos que o protocolo que o WhatsApp usa se torne amplamente difundido no futuro. Entretanto, estamos preocupados com a segurança do WhatsApp apesar dos melhores esforços do Protocolo Signal. Todo aplicativo é feito de vários componentes: a interface do usuário, o código que interage com o sistema operacional, o modelo de negócios por trás de toda a operação – e os aplicativos de mensagem não são uma exceção. Mudanças nessas funcionalidades circundantes são onde identificamos que um usuário pode superestimar, a ponto de se arriscar, a segurança do WhatsApp.

Abaixo, descrevemos nossas quatro principais preocupações em mais detalhes.

Backups não encriptados

O WhatsApp fornece um mecanismo de salvaguardar mensagens na nuvem. Para fazer isso de forma que as mensagens possam ser restauradas sem uma frase secreta no futuro, esses backups precisam ser armazenados sem encriptação. Na primeira instalação, o WhatsApp te pede para escolher com que frequência você gostaria de salvaguardar suas mensagens: diariamente, semanalmente, mensalmente ou nunca. Em nosso manual, avisamos os usuários para nunca salvaguardarem suas mensagens na nuvem, já que isso entregaria cópias não encriptadas de suas mensagens ao provedor da nuvem. Para que sua comunicação seja de fato segura, todas as pessoas com quem você se comunica devem fazer o mesmo.

Notificações de mudança de chave

Se a chave de encriptação de um contato muda, um aplicativo de mensagens seguro deveria enviar uma notificação e perguntar se você aceita essa mudança. No WhatsApp, entretanto, se um contato muda suas chaves, este fato fica escondido por padrão. Para ser avisado, os usuários têm que procurar pela configuração “Notificações de Segurança” (encontrada em “Segurança” na seção “Conta” das suas configurações) e ativá-la manualmente.

Note que mesmo que você ative esta configuração, você somente será notificado de mudanças de chave após a mensagem em questão ter sido enviada. Se o seu modelo de ameaças tolera ser notificado após um potencial incidente de segurança acontecer, então ativar essa opção pode ser suficiente. Porém, se você é um usuário em alto risco cuja segurança pode ser comprometida por uma única mensagem reveladora, então receber um aviso após o ocorrido é um perigo.

A verificação de chaves é muito importante para prevenir um ataque de Homem no Meio (Man in the Middle attack), no qual uma terceira pessoa se faz passar por um contato seu. Neste tipo de ataque, essa terceira pessoa se coloca no meio da sua comunicação e convence o seu aparelho a enviar mensagens a ele ao invés de para o seu contato, ao mesmo tempo decriptando essas mensagens, possivelmente modificando-as e enviando-as a diante para o seu destinatário original. Se as chaves de um contato mudam repentinamente, isso pode ser a indicação de que você está sofrendo esse tipo de ataque (embora tipicamente isso aconteça simplesmente porque o seu contato comprou um novo telefone e reinstalou o aplicativo).

Aplicativo Web

O WhatsApp fornece uma interface web protegida por HTTPS para seus usuários enviarem e receberem mensagens. Como acontece com todos os websites, os recursos necessários para carregar a aplicação são entregues cada e toda vez que você visita aquele site. Assim, mesmo que o seu navegador suporte criptografia, o aplicativo web pode facilmente ser modificado para uma versão maliciosa a qualquer momento, o que poderia fazer com que suas mensagens fossem entregues a terceiros. Uma opção melhor e mais segura seria fornecer um cliente desktop através de extensões (do navegador) ao invés de uma interface na web.

Compartilhamento de dados com o Facebook

A atualização recente da política de privacidade do WhatsApp anunciou planos de compartilhar dados com a companhia que o possui, o Facebook, assinalando uma mudança significativa nas atitudes do WhatsApp com respeito à privacidade do usuário. Em particular, a linguagem vaga e aberta da atualização da política de privacidade levanta questões sobre exatamente quais informações de usuário o WhatsApp está ou não compartilhando com o Facebook. O WhatsApp anunciou publicamente seus planos para compartilhar os números de telefones dos usuários e dados de uso com o Facebook com o propósito de fornecer aos usuários recomendações mais relevantes de amigos e propaganda. Embora aos atuais usuários do WhatsApp é dado 30 dias para optar por não aderir a essa mudança na sua experiência de usuário do Facebook, eles não podem optar pelo não compartilhamento de dados em si. Isso dá ao Facebook uma capacidade alarmantemente aumentada de olhar a comunicação dos usuários online com respeito a atividades, afiliações e hábitos.

Próximos passos

O WhatsApp e o Facebook poderiam dar alguns passos simples para restaurar nossa confiança nos seus produtos.

  • Simplificar a interface de usuário do WhatsApp para fortalecer a privacidade. Uma configuração que ativasse todas as opções de proteção – tais como desabilitar backups, habilitar notificações de mudança de chave e optar por estar fora do compartilhamento de dados – tornaria muito mais fácil para os usuários ter o controle sobre sua segurança.
  • Fazer uma declaração pública sobre exatamente quais tipos de dados serão compartilhados entre WhatsApp e facebook e como eles serão usados. O WhatsApps precisa decidir certos usos futuros de seus dados através da definição do irá fazer – e, tão importante quanto, o que não irá fazer – com as informações de usuário que coleta.

Até que tais mudanças aconteçam, temos que avisar os usuários para que tomem cuidados extras quando decidirem se e quando se comunicarão usando o WhatsApp. Se você decidir usar o WhatsApp, veja nosso guia para Android e iOS para mais informações sobre como mudar suas configurações para proteger a sua segurança e privacidade.

Saiu em 2015 um livro em inglês chamado “Obfuscation“, de Finn Btunton e Helen Nissenbaum.

O conteúdo trata de como se mover de forma mais segura no meio da vigilância. Exemplos de técnicas seriam despistar ou criar ruído, se “camuflar” digitalmente, ou então fazer umas pequenas sabotagens. A primeira parte trata de casos reais de ofuscação, não apenas digital, mas de várias áreas como radares, poker ou grampo.

Já a segunda parte vai tentar responder às seguintes perguntas: Por que a ofuscação é necessária? Podemos justificá-la? A ofuscação funciona?

Tudo isso levando em conta o contexto onde esta técnica está sendo usada: se você está agindo individualmente ou em grupo, quais são os meios de vigilância do seu adversário, sua ação é pública ou secreta ou anônima, sua escala de tempo é de curto ou médio prazo, etc.

Ainda não terminei de ler, mas já posso dizer que minha percepção sobre cultura de segurança se ampliou: ao lado da criptografia, a ofuscação parece trazer meios viáveis para as pessoas que não querem deixar de usar os serviços digitais comuns se protegerem melhor e resguardarem mais a sua privacidade.

baixe o PDF.

Obfuscation_

16 de janeiro de 2015

Por Dia Kayyali e Katitza Rodriguez – artigo do portal EFF.org

A segurança não é um crime, a menos que você seja anarquista

Riseup, um coletivo de tecnologia que fornece serviços de comunicação voltados para segurança para ativistas do mundo todo, soou o alarme no último mês quando um juiz na Espanha afirmou que o uso do seu serviço de e-mail era uma prática, a seu ver, associada ao terrorismo.
Javier Gómez Bermúdez é um juiz da Audiência Nacional, um tribunal superior especial na Espanha especializado em crimes graves como terrorismo e genocídio. De acordo com relatórios da imprensa, em 16 de dezembro, o juiz ordenou a prisão de pressupostos membros de um grupo anarquista. As prisões faziam parte da Operação Pandora, uma campanha coordenada contra “atividades anarquistas” que foi considerada uma tentativa de “criminalizar os movimentos sociais anarquistas”. A polícia confiscou livros, telefones celulares e computadores, e prendeu 11 ativistas. Quase não se sabe detalhes da situação, pois o juiz declarou o caso secreto.

 

Pelo menos um legislador, David Companyon, especulou que as incursões policiais são “uma artimanha para reunir apoio para a recém aprovada ‘lei da mordaça’ espanhola.” A nova lei restringe severamente manifestações, coloca grandes multas para atividades como insultar um policial (600 euros), queimar a bandeira nacional (mais de 3.000 euros), ou fazer uma manifestação em frente aos prédios do parlamento ou outras construções chave (até 600.000 euros). Considerando o que a lei estabelece, não surpreende que muitas pessoas vinculem-na às incursões conduzidas contra um grupo com ideias políticas que aparentemente o governo considera ameaçadoras.

 

Em um comunicado, Riseup apontou:

Quatro pessoas entre as detidas foram soltas, mas sete estão na cadeia esperando julgamento. As razões dadas pelo juiz para mantê-los detidos incluem a posse de certos livros, “a produção de publicações e formas de comunicação”, e o fato de que os acusados “usam e-mails com medidas extremas de segurança, tais como o servidor Riseup.

 

Não está claro o que o juiz quer dizer com “medidas extremas de segurança”. Como afirma Riseup, “muitas das ‘medidas extremas de segurança’ usadas por Riseup são boas práticas comuns para segurança online.” Parece que a suposição por trás da decisão do juiz é que usar serviços que sigam boas práticas para segurança online deve ser considerado suspeito. Isso claramente vai contra o princípio de pressuposição de inocência, um requisito central da lei internacional de direitos humanos. E mais, usar serviços com forte segurança é a forma que os indivíduos têm para exercer seu direito à privacidade e liberdade de expressão na era digital ao mesmo tempo em que se mantêm seguros. Cada nova violação de bases de datos e desastres de segurança informática nos lembra disso.

 

Chamar o desejo de estar seguro online de “extremo” é algo incrivelmente perturbador. Entretanto, pouco surpreendente. Durante a “guerra contra a criptografia” [“Crypto wars”] dos anos 1990, o governo dos Estados Unidos propagaram a ideia de que uma encriptação forte deveria ser tratada como armamento. Isso pode ser devido ao fato de que uma segurança forte torna muito mais difícil para uma agência como a NSA vigiar descaradamente todo mundo e torna difícil reprimir grupos com ideias políticas que ameacem o status quo. Não há dúvidas que anarquistas caem nessa categoria, e provavelmente é por isso que o governo espanhol está preocupado.
No seu comunicado, Riseup explica que o coletivo “tem a obrigação de proteger a privacidade de seus usuários” e “não está disposto a permitir backdoors ilegais ou vender informações de nossos usuários para terceiros”.

 

Existem fortes evidências de que a NSA se assegurou de que houvessem backdoors integradas em diversos produtos e serviços. Companhias e grupos como Riseup querem proporcionar serviços de rede confiáveis e seguros mesmo ao lidar – na verdade, especialmente neste caso – com policiais e advogados que solicitem informações pessoais de usuários e seus registros. Riseup desenvolveu políticas de privacidade robustas para proteger-se da responsabilidade legal, mas mais acima de tudo, para proteger a segurança e a privacidade de seus usuários.

 

A necessidade de privacidade e segurança não pode ser subestimada. Em seu histórico relatório para a 23ª seção do Concelho de Direitos Humanos, o ex-relator da liberdade de expressão da ONU, Frank La Rue deixou claro que a segurança da comunicação é fundamental para uma sociedade aberta. Ele afirmou:

Os indivíduos devem ser livres para usar qualquer tecnologia que escolham para garantir a segurança de suas comunicações, e os Estados não devem interferir no uso de tecnologias de encriptação. (…) Sem uma proteção adequada à privacidade, à segurança e ao anonimato das comunicações, ninguém pode garantir que suas comunicações privadas não estejam sob o escrutínio do Estado.

A privacidade é uma característica essencial de toda sociedade livre. Junto com a “lei da mordaça”, ao reprimir usuários que usem comunicações privadas e seguras, o governo espanhol manda um preocupante sinal a respeito de suas intenções. Mas ainda há tempo para o tribunal corrigir esta decisão. Se a razão para manter esses ativistas presos é sua perfeitamente razoável e corriqueira decisão de manter seguras suas próprias comunicações, então eles devem ser liberados imediatamente.