Skip navigation

Tradução do artigo de 26/01/2017 da EFF Where WhatsApp Went Wrong: EFF’s Four Biggest Security Concerns.

Onde foi que o WhatsApp errou?

Nenhuma tecnologia é 100% segura para todos os usuários, e sempre existem perdas e ganhos em relação à segurança, facilidade de uso e outras considerações. No manual de Autodefesa contra Vigilância (Surveillance Self Defense – SSD), nosso objetivo é destacar tecnologias confiáveis e ao mesmo tempo explicar e chamar atenção para como seus pontos fortes e fracos afetam a privacidade e a segurança do usuário. No caso do WhatsApp, está ficando cada vez mais difícil de explicar adequadamente suas armadilhas de forma clara, compreensível e prática. Tem sido assim especialmente desde o aviso do WhatsApp de que a empresa mudaria seu acordo com os usuários com respeito ao compartilhamento de dados com os outros serviços do Facebook.

Isso é uma pena precisamente por causa dos pontos fortes de segurança do WhatsApp. No fundo, o WhatsApp usa o que há de melhor em troca de mensagens encriptadas: o Protocolo Signal. Isso confere uma ótima garantia de que as mensagens entre você e seus contatos são encriptadas de forma que mesmo o WhatsApp não pode lê-las, que a identidade de seus contatos pode ser verificada e que mesmo se alguém roubar suas chaves de encriptação e for capaz de “grampear” a sua conexão, ele não conseguirá desencriptar as mensagens que você enviou no passado. Na linguagem de criptografia, essas garantias são chamadas de encriptação de ponta a ponta, autenticidade, e sigilo encaminhado (forward secrecy).

Não temos nenhum problema em como essa encriptação é feita. Na verdade, esperamos que o protocolo que o WhatsApp usa se torne amplamente difundido no futuro. Entretanto, estamos preocupados com a segurança do WhatsApp apesar dos melhores esforços do Protocolo Signal. Todo aplicativo é feito de vários componentes: a interface do usuário, o código que interage com o sistema operacional, o modelo de negócios por trás de toda a operação – e os aplicativos de mensagem não são uma exceção. Mudanças nessas funcionalidades circundantes são onde identificamos que um usuário pode superestimar, a ponto de se arriscar, a segurança do WhatsApp.

Abaixo, descrevemos nossas quatro principais preocupações em mais detalhes.

Backups não encriptados

O WhatsApp fornece um mecanismo de salvaguardar mensagens na nuvem. Para fazer isso de forma que as mensagens possam ser restauradas sem uma frase secreta no futuro, esses backups precisam ser armazenados sem encriptação. Na primeira instalação, o WhatsApp te pede para escolher com que frequência você gostaria de salvaguardar suas mensagens: diariamente, semanalmente, mensalmente ou nunca. Em nosso manual, avisamos os usuários para nunca salvaguardarem suas mensagens na nuvem, já que isso entregaria cópias não encriptadas de suas mensagens ao provedor da nuvem. Para que sua comunicação seja de fato segura, todas as pessoas com quem você se comunica devem fazer o mesmo.

Notificações de mudança de chave

Se a chave de encriptação de um contato muda, um aplicativo de mensagens seguro deveria enviar uma notificação e perguntar se você aceita essa mudança. No WhatsApp, entretanto, se um contato muda suas chaves, este fato fica escondido por padrão. Para ser avisado, os usuários têm que procurar pela configuração “Notificações de Segurança” (encontrada em “Segurança” na seção “Conta” das suas configurações) e ativá-la manualmente.

Note que mesmo que você ative esta configuração, você somente será notificado de mudanças de chave após a mensagem em questão ter sido enviada. Se o seu modelo de ameaças tolera ser notificado após um potencial incidente de segurança acontecer, então ativar essa opção pode ser suficiente. Porém, se você é um usuário em alto risco cuja segurança pode ser comprometida por uma única mensagem reveladora, então receber um aviso após o ocorrido é um perigo.

A verificação de chaves é muito importante para prevenir um ataque de Homem no Meio (Man in the Middle attack), no qual uma terceira pessoa se faz passar por um contato seu. Neste tipo de ataque, essa terceira pessoa se coloca no meio da sua comunicação e convence o seu aparelho a enviar mensagens a ele ao invés de para o seu contato, ao mesmo tempo decriptando essas mensagens, possivelmente modificando-as e enviando-as a diante para o seu destinatário original. Se as chaves de um contato mudam repentinamente, isso pode ser a indicação de que você está sofrendo esse tipo de ataque (embora tipicamente isso aconteça simplesmente porque o seu contato comprou um novo telefone e reinstalou o aplicativo).

Aplicativo Web

O WhatsApp fornece uma interface web protegida por HTTPS para seus usuários enviarem e receberem mensagens. Como acontece com todos os websites, os recursos necessários para carregar a aplicação são entregues cada e toda vez que você visita aquele site. Assim, mesmo que o seu navegador suporte criptografia, o aplicativo web pode facilmente ser modificado para uma versão maliciosa a qualquer momento, o que poderia fazer com que suas mensagens fossem entregues a terceiros. Uma opção melhor e mais segura seria fornecer um cliente desktop através de extensões (do navegador) ao invés de uma interface na web.

Compartilhamento de dados com o Facebook

A atualização recente da política de privacidade do WhatsApp anunciou planos de compartilhar dados com a companhia que o possui, o Facebook, assinalando uma mudança significativa nas atitudes do WhatsApp com respeito à privacidade do usuário. Em particular, a linguagem vaga e aberta da atualização da política de privacidade levanta questões sobre exatamente quais informações de usuário o WhatsApp está ou não compartilhando com o Facebook. O WhatsApp anunciou publicamente seus planos para compartilhar os números de telefones dos usuários e dados de uso com o Facebook com o propósito de fornecer aos usuários recomendações mais relevantes de amigos e propaganda. Embora aos atuais usuários do WhatsApp é dado 30 dias para optar por não aderir a essa mudança na sua experiência de usuário do Facebook, eles não podem optar pelo não compartilhamento de dados em si. Isso dá ao Facebook uma capacidade alarmantemente aumentada de olhar a comunicação dos usuários online com respeito a atividades, afiliações e hábitos.

Próximos passos

O WhatsApp e o Facebook poderiam dar alguns passos simples para restaurar nossa confiança nos seus produtos.

  • Simplificar a interface de usuário do WhatsApp para fortalecer a privacidade. Uma configuração que ativasse todas as opções de proteção – tais como desabilitar backups, habilitar notificações de mudança de chave e optar por estar fora do compartilhamento de dados – tornaria muito mais fácil para os usuários ter o controle sobre sua segurança.
  • Fazer uma declaração pública sobre exatamente quais tipos de dados serão compartilhados entre WhatsApp e facebook e como eles serão usados. O WhatsApps precisa decidir certos usos futuros de seus dados através da definição do irá fazer – e, tão importante quanto, o que não irá fazer – com as informações de usuário que coleta.

Até que tais mudanças aconteçam, temos que avisar os usuários para que tomem cuidados extras quando decidirem se e quando se comunicarão usando o WhatsApp. Se você decidir usar o WhatsApp, veja nosso guia para Android e iOS para mais informações sobre como mudar suas configurações para proteger a sua segurança e privacidade.

2 Comments

  1. Eu acho as sugestões da seção “Próximos passos” fracas… Enquanto o cliente do WhatsApp for de código fechado (ou seja, pra sempre), ele não é confiável. Não adianta o WhatsApp “Fazer uma declaração pública sobre exatamente quais tipos de dados serão compartilhados”, se não for possível checar o código-fonte do programa e confirmar que a declaração está sendo cumprida.

    • Sem dúvida!
      Talvez sabendo que as chances do W-Ap abrir o código seja mínima, a EFF (que tem uma atuação bem legalista) sugeriu uma comprometimento legal.
      Também não acho a melhor saída.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *