Quer mandar um telegrama?

Tem rolado o maior fusuê por causa das notícias sobre o Telegram ter um furo que deixa tu descobrires o número de telefone de algumas pessoas num grupo aberto que haviam escolhido esconder essa informação. [1, PT] [2, EN]

É bem importante sabermos como os “apps” funcionam, quais suas potencialidades e vulnerabilidades. Mas que tal voltarmos para o começo dessa conversa?

Diferente de outros lugares do mundo, nós do coletivo temos visto pelo Brasil o desenvolvimento de uma perspectiva de segurança que está atenta ao contexto político de atuação e vinculado à noção de cuidados de segurança. Nós, desde o ano passado, 2018, abandonamos completamente a visão purista da “segurança total” ou a busca pelo “aplicativo mega-seguro”. Essa referência nos serviu no início do coletivo, mas agora parece atrapalhar mais que ajudar. A estratégia da Segurança de Pés Descalços aponta numa nova direção.

Apesar de ser um consenso geral de que não existe 100% de segurança, na prática quando aparece uma falha num software específico é sempre a mesma algazarra, um grande escândalo. Que tal mantermos em mente a noção de situação de segurança? (veja mais sobre isso no livro Segurança Holística) Afinal, a partir de que perspectiva uma ação ou fato é uma ameaça?

Neste caso do Telegram, vamos aproveitar os conceitos descritos nessa outra postagem para refletir e manter nossa mente atenta e crítica.

É uma questão privacidade? Parece que não, pois na descrição das notícias as pessoas estão conversando num grupo público.

É uma questão de criptografia? Também parece que não, pois o Telegram é bastante claro quando diz que as conversas em grupo não são criptografadas de ponta-a-ponta, mas apenas entre cliente e servidor (ou seja, os dados podem ser decifrados por quem controla o servidor). Somente o “chat secreto” possui criptografia de ponta-a-ponta.

É uma questão de usabilidade? Até onde dá para entender pelas matérias, também não parece o caso. O app tá rodando tranquilo, todo mundo continua conversando normalmente nos grupos, recebendo e enviando mensagens.

Enfim, anonimato. Essa é a propriedade de um sistema de comunicação que protege/esconde a identidade das pessoas que se comunicam. Então:

  1. O Telegram (assim como o whatsapp e o signal) exige um número de telefone para criar um cadastro no seu servidor. Logo, você já sabe de entrada que a empresa Telegram (assim como o Facebook pro zap e a OpenWispers pro signal) sabe qual o seu número, com quem e quando você conversa. Esses são os metadados mais comuns numa comunicação. O signal tem a particularidade de esconder o remetente quando ele envia uma msg (LINK), desvelando-o somente na hora que se abre a mensagem (ou seja, o servidor só sabe o destino, não a origem, nem o conteúdo) o que é uma grande vantagem em termos de anonimato sobre o zap e o telegram, mas também sobre email com GPG e OTR.
    Já o zap, que pertence ao Facebook, usa esses e outros metadados para lucrar com o seu perfil (zero anonimato para o servidor). Tudo isso independente da sua situação atual de segurança.
  2. Agora, quando você não quer mostrar seu número para outras pessoas num grupo público e o aplicativo dá a entender que isso vai acontecer, aí é outra história. Pois num grupo público, a questão não é mais tanto com relação ao servidor (à empresa que fornece o serviço), mas de ronda virtual, de perseguição política, onde agentes do Estado passam a mapear as relações e o protagonismo individual nos grupos.Como as conversas são públicas para quem está no grupo (não há privacidade da informação), facilmente pode-se fazer uma varredura num e em vários grupos identificando as mesmas pessoas e ampliando a análise (o que também pode acontecer se usarem apenas o apelido, como sempre se fez no mundo analógico).
    Porém, como disse um cara do Telegram (lá pro final da matéria), qualquer app baseado na lista de contatos do espertofone vai ser capaz de te mostrar qual o nome do contato para certo número de telefone que você já tenha anotado na sua lista de contatos. Se os seus amigos cadastram seu número com o seu nome verdadeiro, então eles vão vazar, mais cedo ou mais tarde, a relação entre apelido, nome e número de telefone.

Até aqui, dois pontos-chave: 1) tenha atenção com a comunicação por espertofone, ela é cheia de detalhes obscuros; 2) seu número de telefone normalmente está ligado à sua pessoa física (no brasil, ao CPF).

Então, o contexto em que essa falha no Telegram é um problema poderia ser: expressar num “local” público opiniões vinculadas à sua identidade de cunho antigoverno onde seu oponente é o Estado.

Em muitos casos, é central conseguir levar uma mensagem para o máximo de pessoas, como em Hong Kong, para agitação e coordenação dos protestos contra a lei de extradição que está em jogo. E parece que o serviço de grupos do Telegram dá conta disso: os servidores em nuvem parecem rápidos e permitem um número enorme de participantes. Os manifestantes já disseram que isso é chave pra eles e não vão mudar de app.

Agora, se é a vida de quem fala que está sendo ameaçada por um ator poderoso como o Estado (chinês), então o anonimato é muito importante. Sabemos que aqui mora uma dicotomia clássica e geralmente possui uma relação inversa: quanto mais alcance, menos anônimo. Ferramentas como Wikileaks e secureDrop foram criadas para quebrar essa inversão, fazendo com que uma informação pudesse vir a público sem comprometer a vida de quem a revela.

Para muitos grupos de atuação pública, a visibilidade acompanha a disseminação de informações, geralmente denúncias ou pedidos de apoio. Ela serve como proteção (pelo menos, essa é a aposta). São grupos que avaliam os riscos e decidem colocar seus corpos também à mostra (às vezes é a única coisa que conseguem fazer). É uma tática bem comum de grupos de ação direta não-violenta e de desobediência civil. Aqui, a falha do Telegram seria irrelevante.

Agora, se o contexto é de perseguição individual e não existe um grupo público forte para proteger cada pessoa, aí o anonimato é crucial. Neste caso, uma falha como a do Telegram é muito grave. Principalmente porque o software parece ocultar totalmente o número de telefone se você ativar a opção relacionada a isso.

Lição 3: se você acha que está resguardado por uma forma técnica de proteção, procure uma segunda opinião com alguém que realmente entende do assunto. Muitas de nossas vulnerabilidades vêm de um recurso que imaginamos que nos protege mas que não serve pra isso.

Porém, para milhares de outras pessoas usuárias do Telegram, a falha que deixa ligar apelido com número não parece ser relevante. Inclusive vários grupos que lidam com segurança no Brasil usam o Telegram para divulgar informações e conversar, como Encripta, CryptoRave e nós do Mariscotron. Tenho a impressão que para a finalidade que nossos grupos estão usando o Telegram, ele não apresenta uma ameaça, mas sim uma possibilidade de alcance.

Ou será que a notícia dessa falha muda nossa situação de segurança aqui também?

Mente viva, escolhas informadas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *